sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Carolina Cerqueira realça política do Executivo na promoção da mulher

A ministra da Comunicação Social, Carolina Cerqueira, destacou quinta-feira, em Brasília, a agenda política
Angop
Ministra Carolina Cerqueira
do Executivo angolano, que visa permitir à mulher uma maior participação na elaboração, aplicação e acompanhamento de estratégias de desenvolvimento do país.
Carolina Cerqueira fez este pronunciamento quando se dirigia às participantes da X Conferência da Federação Internacional de Mulheres de Carreira Jurídica (FIFCS, sigla em francês), que decorre desde segunda-feira na capital brasileira.
Como palestrante do dia, num dos painéis dos trabalhos do evento, a ministra explicou que a materialização desse propósito é reflectida em programas como o de Combate à Fome e Pobreza, Comercialização Rural, Água para todos, Comunicação Social para a Cidadania e o Registo Gratuito de crianças dos zero aos cinco anos, entre outros.
Na defesa e execução desta agenda, segundo Carolina Cerqueira, o próprio Presidente da República e chefe do Executivo angolano, José Eduardo dos Santos, “envolve-se pessoalmente, a nível local, regional e internacional”.
Outro aspecto que mostra essa participação “cada vez mais visível” da mulher no desenvolvimento do país, ressaltou, é a actual composição da Assembleia Nacional (Parlamento), que tem uma mulher como uma das vice-presidentes, para além de várias comissões do órgão legislativo angolano serem chefiadas por deputadas.
Para a governante, também é elucidativo de que em Angola “a mulher e justiça caminham no rumo certo”, a actual representação do género feminino nos tribunais Constitucional, Supremo e nos provinciais bem como nas procuradorias Geral, provinciais e municipais.
Carolina Cerqueira disse assentar o seu optimismo na aliança “mulher-justiça” pelo facto de no país “grande número de jovens juristas aderirem à causa, participando, a título voluntário, nos centros de Aconselhamento Jurídico, mesmo em zonas mais pobres e de forma gratuita às populações mais vulneráveis, sobretudo na resolução de conflitos familiares”.
A ministra angolana da Comunicação Social é jurista de formação, presentemente assume a presidência da Mesa de Assembleia Geral da FICFJ. No país é membro da Associação de Mulheres de Carreira Jurídica (AMCJ).
Na comunicação que fez, Carolina Cerqueira recordou que as mulheres juristas da AMCJ, intervêm na assistência e informação jurídicas às presidiárias, “estando para breve” a assinatura de um protocolo com a Procuradoria-Geral da República, para facilitar o acesso gratuito à justiça.

Fonte:ANGOP

Nenhum comentário: