sábado, 6 de outubro de 2012

Estudo Regional sobre Trabalho Decente e Igualdade de Gênero na América Latina e Caribe: Políticas para melhorar o acesso e a qualidade do emprego das mulheres.


16 de Outubro de 2012  

      
O local do evento ainda será definido

Abertura: Jorge Chediek : ONU Brasil


                    Laís Abramo: OIT – Brasil


                    Rebecca Tavares: ONU Mulheres



14:45hs-15:30hs Apresentação dos principais avanços do Informe Regional sobre Trabalho Decente e Igualdade de Gênero na América Latina e Caribe: Políticas para melhorar o acesso e a qualidade do emprego das mulheres. Solange Sánchez, Especialista Regional em Gênero e Emprego, OIT.


15:30hs - 15:45hs   Pausa para o Café


15:45hs - 17:45hs Perguntas e Debate entre os participantes


17:45hs -18:00hs Encerramento


O processo de consulta nacional para a elaboração de um estudo sobre a incorporação das mulheres ao mundo laboral será iniciado no Brasil no próximo dia 16, com um evento no qual serão discutidos os novos passos para enfrentar as diferenças de gênero que impedem o alcance do objetivo de igualdade no trabalho.
O evento faz parte dos preparativos para o relatório regional sobre trabalho decente e igualdade de gênero, que está sendo realizado conjuntamente pela CEPAL, FAO, PNUD, ONU Mulheres e OIT como um esforço entre as agências da ONU e incluirá uma série de 13 oficinas em países da América Latina e do Caribe. O relatório das agências da ONU será divulgado no início de 2013.
Na oficina, realizada pela OIT, PNUD e ONU Mulheres, e que reunirá representantes do governo, organizações de empregadores, de trabalhadores, da sociedade civil e do setor acadêmico, serão analisados os principais dados relacionados com o desafio da igualdade de gênero no mundo do trabalho bem como o tipo de políticas públicas e reformas legais aplicadas nesta matéria.
O estudo buscará obter uma radiografia tanto da situação laboral das mulheres como das diversas políticas aplicadas na América Latina e no Caribe com o objetivo de promover a igualdade de gênero, já que apesar do aumento sustentado do número de mulheres na força de trabalho, ainda persistem as inequidades em relação ao trabalho dos homens, como por exemplo: enfrentam um desemprego maior, sua renda é menor e estão mais expostas a más condições de trabalho.
O estudo das agências da ONU também abordará temas como a segregação ocupacional, as diferenças de salários, a situação das mulheres no meio rural e das mulheres indígenas e afrodescendentes, a situação das mulheres migrantes, o efeito das jornadas de trabalho e a dupla jornada enfrentada pelas mulheres, a persistência de políticas que podem favores a discriminação e a contribuição das mulheres para a superação da pobreza.

Nenhum comentário: