sábado, 22 de outubro de 2011

Senado cria comitê para cuidar de participação no programa Pró-Equidade de Gênero e Raça

Senado vai ter um comitê específico para cuidar da participação da Casa no Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça, vinculado à Secretaria de Políticas para as Mulheres, da Presidência da República. A proposta da 1ª vice-presidente, senadora Marta Suplicy (PT-SP), foi aprovada pela Comissão Diretora nesta quinta-feira (20).
A adesão do Senado ao programa foi formalizada em julho. O comitê terá representantes de todas as secretarias e unidades da instituição a fim de promover a igualdade de gênero e raça nas práticas administrativas da Casa.
Em uma primeira etapa, foi realizado um levantamento do perfil do corpo funcional do Senado, levando em conta a distribuição por faixa etária, escolaridade, cargos, funções, remuneração, formas de acesso e promoção, bem como informações referentes a processos de capacitação e qualificação, programas de saúde e segurança no trabalho, além de política de benefícios. A pesquisa englobou servidores efetivos, comissionados, terceirizados e estagiários da instituição.
O diagnóstico desses dados servirá como base para a formulação de um Plano de Ação, pelo comitê, para possibilitar o enfrentamento de eventuais problemas de desigualdade na instituição.
- O mundo todo hoje tem essa preocupação pela equidade entre homens e mulheres, mas não adianta ter preocupação se você não sabe a situação. Então, na primeira fase buscaremos uma ideia de como o Senado funciona em termos de equidade de gênero e raça. Depois dessa respostas, vamos ver que ações precisamos implementar - explicou Marta Suplicy.
Programa

O Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça é uma iniciativa do Governo Federal que visa alcançar a equidade de gênero no mundo do trabalho através da adoção de novas concepções na gestão de pessoas e na organização das empresas. Ele tem como objetivo promover a igualdade de oportunidades e de tratamento entre homens e mulheres, respeitando ainda as diferentes raciais nas organizações públicas e privadas.


Fonte: UNIFEM/ Agencia Senado

Um comentário:

Anônimo disse...

Tomara que tenhamos conhecimento dos resultados da pesquisa e das ações a serem efetivamente encetadas.
Ao ensejo, parabenizo-a uma vez mais por este blog. Ats, Lina Efigenia