sexta-feira, 14 de outubro de 2011

ONU Mulheres lançou no Paraguai, Princípios de Empoderamento das Mulheres

Por meio de sete passos, plataforma criada pela ONU Mulheres e o Pacto Global das Nações Unidas e já conquistou 251 empresas de grande e médio porte no mundo. No Cone Sul, 39 empresas brasileiras, 5 argentinas e 2 chilenas fazem parte da iniciativa. Com lançamento nacional, Princípios visam conquistar empresas paraguaias
 

Assunção– Impulsionar o empreendedorismo feminino e estimular a responsabilidade das empresas com a igualdade de gênero. Esses são os desafios propostos pelos Principios de Empoderamento das Mulheres  http://www.unifem.org.br/sites/700/710/00001126.pdf    , estabelecidos pela ONU Mulheres
 – Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres, e o Pacto Global da ONU para a comunidade empresarial global. Com 251 adesões de empresas de grande e médio porte, a iniciativa já conquistou bons resultados no Cone Sul: 39 empresas brasileiras, cinco argentinas e duas chilenas.
 No Paraguai, os Princípios de Empoderamento das Mulheres serão apresentados, nesta quarta-feira (12/10), no XXII Congresso Iberoamericano de Mulheres Empresárias. O lançamento nacional será conduzido por Júnia Puglia, coordenadora de Programas da ONU Mulheres, e Verusca Oliveira, coordenadora dos Princípios de Empoderamento das Mulheres no Cone Sul.
Os Princípios são compostos por sete passos a serem seguidos por empresas de grande, médio e pequeno porte: 1) estabelecer liderança corporativa sensível à igualdade de gênero, no mais alto nível; 2) tratar todas as mulheres e homens de forma justa no trabalho, respeitando e apoiando os direitos humanos e a não-discriminação; 3) garantir a saúde, segurança e bem-estar de todas as mulheres e homens que trabalham na empresa; 4) promover educação, capacitação e desenvolvimento profissional para as mulheres; 5) apoiar empreendedorismo de mulheres e promover políticas de empoderamento das mulheres através das cadeias de suprimentos e marketing; 6) promover a igualdade de gênero através de iniciativas voltadas à comunidade e ao ativismo social; e 7) medir, documentar e publicar os progressos da empresa na promoção da igualdade de gênero.
 Para a ONU Mulheres, empoderar mulheres e promover a equidade de gênero em todas as atividades sociais e da economia são garantias para o efetivo fortalecimento das economias, o impulsionamento dos negócios, a melhoria da qualidade de vida de mulheres, homens e crianças, e para o desenvolvimento sustentável. “O lançamento dos Princípios durante o Congresso de Mulheres Empresárias é estratégico, porque o evento é formado por um público que está colocando em prática o aproveitamento do seu potencial produtivo, influenciando positivamente a comunidade de negócios por meio do seu empreendedorismo e inovando na maneira de conduzir as suas empresas. Essas mulheres podem aperfeiçoar os seus negócios com os passos propostos pelos Princípios de Empoderamento das Mulheres e tornar os seus empreendimentos cada vez mais fortes e influentes no mercado”, aponta Júnia Puglia.
 Ela lembra que os direitos econômicos das mulheres paraguaias são vulneráveis por conta do alto índice de informalidade - 70% das trabalhadoras paraguaias estão no mercado informal -, têm empregos instáveis e remuneração menor que a recebida pelos homens. “Ao mesmo tempo em que esse contexto traz oportunidades para que as mulheres se tornem empreendedoras, buscando uma inserção diferenciada na economia, ele coloca desafios. São desafios para as mulheres no sentido de capacitação para a condução de empreendimentos próprios e competitividade na cadeia produtiva; para o mercado, que precisa se reajustar a fim de absorver o potencial produtivo das mulheres; para o Estado, que pode realizar ações para incentivar o empreendedorismo feminino; e para a sociedade, que precisa incorporar a divisão de tarefas de cuidados e familiares no dia a dia entre mulheres e homens”, explica.
 Ao lembrar o documentário “Direitos econômicos para as mulheres” da coletânea Mulheres no Cone Sul, produzida pela TV Brasil Internacional e a ONU Mulheres, Júnia lembra que “o desenvolvimento empresarial e econômico das mulheres depende de todas e todos”. A coordenadora de Programas da ONU Mulheres Brasil e Cone Sul fará palestra na quarta-feira (12/10), às 11h50, abordando o tema “O empoderamento das mulheres como condição básica para o desenvolvimento e o rol do setor empresarial”.
 O XXII Congresso Iberoamericano de Mulheres Empresárias acontecerá, de 12 a 14 de outubro, em Assunção. O evento terá as presenças da ministra da Mulher do Paraguai, Glória Rubin; da presidenta da FIDE, Inmaculada Alvarez Morilla; da presidenta de APEP, Irma Lévera de Romero; entre outras autoridades. Um dos pontos altos do evento será a entrega do prêmio Mulher Empresária “Mireille Constant”, na quinta-feira (13/10), em cerimônia de gala.
 
Fonte: UNIFEM

Nenhum comentário: