quarta-feira, 26 de outubro de 2011

“Leite e Ferro”, documentário sobre a maternidade na prisão

O filme foi premiado como melhor documentário e melhor direção de documentário no Festival de Paulínia/SP

 “Leite e Ferro”, realizado em 2007 retrata o cotidiano no extinto Centro de Atendimento Hospitalar à Mulher Presa (CAHMP), uma instituição em São Paulo que abrigava mulheres em fase de aleitamento após darem a luz. Mães e bebês ficam juntos atrás das grades, mesmo que por pouco tempo. Já que depois de quatro meses,  a criança vai para outra pessoa da família, a uma instituição ou é adotada, às vezes até de maneira ilegal. O Documentário “Leite e Ferro”, primeiro longa da diretora Cláudia Priscila, estreia em todo o país no dia 25 de novembro.
O documentário também discute a contradição das emoções. Por um lado a maternidade é vista como um momento de plenitude na vida das mulheres, por outro  a situação limite do encarceramento e da exclusão. Nesta narrativa uma personagem se destaca e conduz a história. Trata-se de Daluana, apelido que recebeu após se envolver e ter um filho com o “famoso” traficante Da Lua.
Traficante desde dos 10 anos, Daluana, hoje na casa dos 40 anos, cresceu na rua e passou por diversas instituições carcerárias.  Aos 14 anos teve sua primeira filha, e esta é a segunda vez  que está  no CAHMP para amamentação, a primeira foi em 2000.
Daluana e suas colegas são registradas de uma forma diferente pela diretora, com uma intimidade de roda de comadre. Assim surgem relatos e discussões, muitas vezes ditas com bom  humor, sobre o prazer de amamentar, sexo, fidelidade, violência policial, amor, tráfico, drogas e religião.
As filmagens do documentário aconteceram durante um mês do ano de 2007, no Centro onde se encontravam 70 mães e 70 crianças. Mas, o CAHMP foi fechado há quase dois anos e as presas, realocadas em centros hospitalares.

Premio - O documentário “Leite e Ferro”, de Cláudia Priscilla, também conquistou, em 2011, o Grande Prêmio na Mostra Competitiva Internacional e Destaque Feminino na Competitiva Nacional do Femina – Festival Internacional de Cinema Feminino, além de ter sido selecionado para diversas mostras e festivais como: o 5º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo, Indie  - Mostra de Cinema Mundial (2010), 5ª Mostra Cinema e Direitos Humanos da América do Sul (2010), 32º Festival Internacional Del Nuevo Cine Latinoamericano em Havana, Cuba (2010), Visions Du Rèel, Nyon, Suíça (2011) e Panorama Coisa de Cinema (2011).

Sobre a Diretora - Formada em jornalismo, Cláudia Priscila, dirigiu os curtas-metragens "Parachacal" (2001), selecionado para o Festival do Minuto, "Sexo e Claustro" (2005), selecionado para o Festival de Berlim, Guadalajara, entre outros  e "Phedra" (2008), selecionado para o Curta Rio, Festival de Curtas de São Paulo e para o Mix Brasil. Seu primeiro longa-metragem como diretora é "Leite e Ferro". É autora também do roteiro do documentário "33" (escrito em parceria com Kiko Goifman). Atuou como diretora de produção nos curtas metragens "Menino e o Bumba" (2007) de Patrícia Cornils e "Território Vermelho" (2004) de Kiko Goifman ,  no documentário de média metragem "Morte Densa" de Kiko Goifman e Jurandir Muller,  e no longa "Atos dos Homens" (2006) de Kiko Goifman. Também foi assistente de direção no filme “FilmeFobia” de Kiko Goifman.
 
 
Comunicação Social  SPM

Nenhum comentário: