terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Cazenga registra diariamente 50 a 80 casos de violência contra a mulher

Cazenga – A responsável da secção da Família e Promoção da Mulher no município do Cazenga, Ana da Costa, disse hoje, terça-feira, em Luanda, que o sector regista diariamente 50 a 80 casos de violência doméstica na municipalidade.
 Falando à Angop, Ana da Costa referiu que apesar de terem um registo de 770 casos de violência doméstica em 2011, o actual quadro tende a mudar para melhor, porque as pessoas continuam a acatar as mensagens sobre a importância da denúncia deste fenómeno.
 A secção regista diariamente de 50 a 80 casos de violência doméstica.
 A responsável revelou que a entrada em vigor da lei sobre a violência doméstica também está a contribuir para as pessoas começaram a respeitar o parceiro.
 Sublinhou que as campanhas de sensibilização no município, vão continuar a ser realizadas, pelo que foram traçadas estratégias para o presente ano, que passam pela realização de palestras e seminários com abordagens também sobre as doenças sexualmente transmissíveis, Vih/Sida, malária, entre outras.
Para si, o que preocupa o sector são os casos da fuga a paternidade e a violência física que continuam a liderar o quadro das ocorrências.
A falta de diálogo no seio das famílias, associado ao desemprego, pobreza e consumo excessivo de álcool, são apontados como as principais causas destas práticas.


Fonte : ANGOP

domingo, 29 de janeiro de 2012

Dados fornecidos pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE mostram que as disparidades também apresentam um recorte de raça/cor

Dados fornecidos pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE mostram que as disparidades também apresentam um recorte de raça/cor.
 A Pesquisa Mensal de Emprego, realizada pelo IBGE, mostra que a renda das pessoas que trabalham no Brasil observou um cenário favorável em 2011, contudo, as disparidades nos ganhos permanecem existindo. Em média, as mulheres receberam 28% a menos que os homens em 2011 – uma média de R$ 1.343,81 para elas contra R$ 1.857,64 para eles.
Em 2011, o rendimento médio mensal habitualmente recebido no trabalho principal, para homens e mulheres, foi estimado em R$ 1.625,46, equivalente a aproximadamente três salários mínimos. Esta quantia foi o valor anual médio mais elevado desde 2003, e 2,7% superior a 2010.
A disparidade de rendimentos não foi observada somente quando se fez o recorte de gênero, mas também no de raça: no ano passado, pessoas negras ou pardas recebiam, em média, pouco mais da metade do rendimento daqueles de cor branca. No mesmo ano, as médias anuais de renda foram de R$ 1.073,22 para as pessoas negras e de R$1.121,44 para pardas, enquanto a média anual de renda para as pessoas brancas foi de R$ 2.050,25.

Fonte: observatorioBrasildeigualdadedegenero

SPM e governo do Amazonas unem forças no enfrentamento à violência contra a mulher

Na próxima terça-feira, 31, a ministra  da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, Iriny Lopes, o governador Omar Aziz, o presidente do Tribunal de Justiça (TJ-AM), desembargador João Simões, o procurador-geral do Ministério Público, Franciso Cruz,  o procurador-geral interino da Defensoria Pública, Ricardo Trindade,  mais o presidente da Associação Amazonense dos Municípios, Jair Aguiar Souto, assinam Acordo de Cooperação Federativa do Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres no Amazonas. O ato acontece a partir das 10h, no auditório da Sede do Governo, em Manaus/AM.
Pelo acordo, os governos estabelecem um regime de colaboração mútua para a execução de ações cooperadas e solidárias para a implantação do Pacto Nacional pela redução do índice de violência doméstica e familiar contra as mulheres. Na ocasião, será feito o anúncio do valor a ser investido nos próximos anos e serão enumeradas as prioridades de atuação no enfrentamento a esse tipo de  violência.

DADOS - Em números e taxas de homicídios de mulheres, o Estado do Amazonas ocupa a 17ª posição no ranking nacional e a 5ª da Região Norte, segundo Mapa da Violência do Instituto Sangari. 
De janeiro a outubro de 2011, a Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180  recebeu o total de 530.542 ligações. Dessas, 2.595 ligações foram do Amazonas, colocando o Estado na 23º colocação no ranking de ligações para o Ligue 180, considerando a população feminina em números absolutos.

RECURSOS – A  Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) já repassou mais de R$ 2 milhões (R$ 2.392.840,03) para viabilizar a realização de projetos e serviços de atendimento a mulheres, de capacitação, entre outros, entre 2009 e 2011 no Amazonas.
 
 
Serviços:
Data: 31/01/2012
Horário: 10h
Local: Avenida Brasil s/nº, bairro Compensa, Zona Oeste de Manaus
 
 
Comunicação Social  SPM

Aberta até 12/2 seleção de profissionais para a vaga de Oficial Nacional de Programas da ONU Mulheres

Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas abriu, ontem (26/1), o processo seletivo para a contratação Oficial Nacional de Programas para a ONU Mulheres.

          Posto:  National Programme Officer - UNWOMEN
          Local: Brasília, Brasil
          Prazo para candidatura: 12 de fevereiro de 2012

Para maiores informações, acesse o link http://jobs.undp.org/cj_view_job.cfm?cur_job_id=27861 .
O anúncio também poderá ser acessado no site www.pnud.org.br
(Recrutamento e Seleção> Brazil UNDP Jobs).

Pedimos especial atenção às instruções sobre como candidatar-se (ver informações abaixo e no anúncio).

Atenção! As candidaturas deverão ser feitas no UNDP Jobs. Apenas as candidaturas enviadas dentro do prazo e realizadas por meio do preenchimento do UNDP Personal History Form (PHF)  P11 – em anexo serão analisadas. Os campos do formulário de candidatura devem conter informações que explicitem clara e detalhadamente todos os dados. Para aplicar-se na vaga, você deverá, após clicar em APPLY NOW, preencher os campos obrigatórios, e clicar em SUBMIT APPLICATION.  Na nova página seguinte que surgirá, você deverá anexar o seu P11 preenchido. 
Devido ao grande volume de candidaturas recebidas, apenas as/os candidatas/os pré-seleccionadas/os serão contactadas/os. Todas as candidaturas serão tratadas com sigilo.

 

Fonte: UNIFEM

Yayi Boni eleito novo presidente

O chefe de Estado do Benin, Thomas yayi Boni, foi eleito hoje (domingo) em Addis Abeba, na  décima oitava Sessão ordinária da Cimeira da União Africana (UA), como presidente da organização continental, substituindo o seu homólogo da Guiné - Equatorial, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo.
 Boni permenecera no cargo nos proximos 12 meses.
 A 18ª cimeira dominada pela eleição da Comissão da UA, e crises libia, da Somalia, e da Nigéria.
 Trata-se da primeira cimeira a realizar-se desde a "Primavera Arabe", revoluções que derrubaram Hosni Mubarak, então presidente do Egipto, o seu homólogo da Tunisia, Abidine Ben Ali, deposto e morto Muammar Kadhafi, o então líder líbio.
 Entretanto, o ponto mais importante do encontro dos estadistas africanos, que relegou para segundo plano o tema da cimeira "A Promoção do Comercio Inter - africano", é a eleição do presidente da Comissão da União Africana (CUA).
 Concorrem para esse cargo, o atual presidente cessante da CUA, o gabonês Jean Ping, e a atual ministra sul-africana do Interior, Nkozasana Dlamini Zuma, ambos apoiados pelas respectivas regiões concernentes.
 Os trabalhos iniciaram com a entoação do hino da UA, seguida de um minuto de silêncio em homenagem a Prémio Nobel da paz, a ecologista queniana Wangai Maathai, falecida em 2011, posteriormente, começou a fase dos discursos.
 O novo presidente da UA,  Thomas Yayi Boni, nasceu a  1 de Julho de 1952, em Tchaourou, norte do Benin, exerce o cargo de presidente do seu país, desde 6 de Abril de 2006 .  Pertence a três etnias influentes do norte do pais, os  Nago (da familia  dos Yorubas) pelo seu pais,  Peul e Bariba, do lado da sua mãe.
 Doutorado em economia, pela universidade de Paris IX Dauphine, foi conselheiro técnico dos assuntos monetários e bancários, sob a presidência do Presidente  Soglo, de 1991 a 1996, antes de ser nomeado presidente do Banco Oeste -Africano do Desenvolvimento (Boad) em Dezembro de  1994 ate Fevereiro de  2006 quando se demitiu para se candidatar as presidenciais de 2006.
 Pai de cinco filhos, foi um candidato independente apoiado por uma coligação de cinco pequenos partidos.



Fonte : ANGOP

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

ONU Mulheres comunica abertura das inscrições para declarações orais na 56ª CSW

De 28 de fevereiro a 6 de março, Comissão sobre a Situação da Mulher discutirá empoderamento econômico das mulheres rurais. Inscrições para declarações orais seguem abertas até o dia 17 de fevereiro

A ONU Mulheres – Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento o das Mulheres comunica a abertura do período de inscrições para declarações orais na 56ª Sessão da Comissão sobre a Situação da Mulher. As inscrições poderão ser feitas até o dia 17 de fevereiro por meio do site   http://www.unwomen.org/how-we-work/csw/csw56-general-discussion-sign-up/
Será dada prioridade às representantes de ONGs (organizações não governamentais) que abordarem o tema principal da reunião: “O empoderamento das mulheres rurais e seu  papel na erradicação da pobreza e da fome, desenvolvimento e desafios atuais”, assim como representantes das mulheres rurais, organizações feministas, movimento de mulheres, entre outras. Podem inscrever-se, ainda, ONGs que possui caráter consultivo junto ao Conselho Econômico e Social.
A participação das ONGs é fundamental para o alto nível dos debates e tem potencial de influenciar positivamente os resultados da CSW.

Dúvidas e esclarecimentos serão dados por meio do e-mail  mailto:csw@unwomen.org
Além do tema central, os debates na 56ª sessão da CSW vão acontecer em cinco painéis:
Painel 1 – 28/2/2012, das 10h às 13h (horário de Nova York)
Tema prioritário: O empoderamento das mulheres rurais e seu papel na erradicação da fome e da pobreza, desenvolvimento e desafios atuais
Focos: empoderamento econômico das mulheres rurais
Painel 2 – 29/2/2012, das 15h às 18h (horário de Nova York)
Tema prioritário: o empoderamento das mulheres rurais e seu papel na erradicação da fome e da pobreza, desenvolvimento e desafios atuais
Foco: o papel do gênero de resposta de governança e instituições para o empoderamento das mulheres rurais
Painel 3 – 1/3/2012, das 10h às 13h (horário de Nova York)
Tema da revisão: financiamento para a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres
Foco: experiências nacionais na implementação das conclusões acordadas sobre o financiamento para a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres
Painel 4 – 1/3/2012, das 15h às 18h (horário de  Nova York)
Tema da revisão: financiamento para a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres
Foco: o progresso em financiamento para a igualdade de gênero a partir da perspectiva das organizações internacionais e parceiros de desenvolvimento multilateral
Painel 5 – 6/3/2012, das 10h às 13h (horário de Nova York)
Questão emergente: engajar mulheres e homens jovens, meninas e meninos para promover a igualdade de gênero
Fonte: UNIFEM

Brasil financia agricultura familiar com 74 ME


Moçambique /Maputo - O Brasil vai conceder um crédito de cerca de 74 milhões de euros a Moçambique para a dinamização da agricultura familiar, anunciou na quinta-feira o Ministério do Desenvolvimento da Indústria e Comércio Exterior brasileiro, anunciou hoje (sexta-feira) a Lusa.  
    A decisão, aprovada pela Câmara de Comércio Exterior (Camex) do Ministério do Desenvolvimento da Indústria e Comércio Exterior do Brasil, prevê que o dinheiro seja aplicado na compra de máquinas e equipamentos agrícolas produzidos pelo Brasil. 
 Além da concessão daquela verba, a ajuda contempla ainda o estabelecimento da cooperação técnica para a promoção da agricultura familiar, no âmbito do Programa Mais Alimentos, instituído pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário brasileiro.     
 O financiamento integra-se no quadro do programa Mais Alimentos África, uma réplica do Programa Mais Alimentos, criado pelo Brasil e objecto de cooperação com países africanos, como Gana e Zimbabué.   
 Apesar de deter 36 milhões de terra fértil, Moçambique ainda enfrenta um enorme défice alimentar, devido ao seu fraco desenvolvimento agrícola, por causa do baixo financiamento ao sector.      
 O financiamento aprovado pela Camex do Ministério do Desenvolvimento da Indústria e Comércio Exterior do Brasil inclui ainda Cuba, que vai receber, no quadro da iniciativa, pouco mais de 53 milhões de euros para programas de desenvolvimento agrário.   


Fonte: ANGOP

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Incra/PB pretende elaborar relatórios antropológicos de territórios quilombolas

A elaboração de relatórios antropológicos de seis novos territórios quilombolas deve ser feita pela Superintendência Regional do Incra na Paraíba ainda este mês. O projeto vai atingir as comunidades Ipiranga, no município de Conde (Litoral Sul); Fonseca, em Manaíra (Serra do Teixeira); Vaca Morta e Barra de Oitis, em Diamante (Sertão); Pitombeiras, em Várzea (Seridó Ocidental) e Contendas, em São Bento (Sertão).
De acordo com o superintendente regional do Incra/PB, Lenildo Morais, o objetivo é dar agilidade ao processo de regularização e concessão do título de propriedade da terra às comunidades. Cerca de 390 famílias devem ser beneficiadas. Os relatórios devem ser  concluídos ainda no primeiro semestre deste ano.
Para a antropóloga Maria Ester Fortes, do Serviço de Regularização de Territórios Quilombolas do Incra/PB, este levantamento é a peça inicial do processo administrativo de regularização dos territórios quilombolas e compõe o Relatório Técnico de Identificação e Delimitação (RTID) que também inclui o Laudo Agronômico e o Memorial Descritivo da área.
“A regularização fundiária de comunidades quilombolas é demorada, mas indispensável ao futuro dessas comunidades que têm visto suas áreas cada vez mais invadidas pela especulação imobiliária”, defende a antropológa.
 O diretor do Departamento de Proteção ao Patrimônio da Fundação Cultural Palmares, Alexandro Reis, acredita que é preciso avançarmos no processo de titulação das terras quilombolas. Por isso, a conclusão do RTID é fundamental para a definição do território. “ Isso amplia as possibilidades de realização de políticas públicas nas comunidades, destacadamente, construção de escolas, casas, saneamento básico e fornecimento de água potável”, destaca.
Regularização do territórioA regularização do território tem início com um estudo da área e elaboração de um Relatório Técnico que identifica e delimita o território da comunidade. Uma vez aprovado, o Incra publica portaria de reconhecimento declarando os limites do território quilombola. A fase final do procedimento corresponde à regularização fundiária, com a retirada de ocupantes não quilombolas através de desapropriação e/ou pagamento das benfeitorias e a demarcação do território.
Ao final do processo é concedido título de propriedade coletivo, pró-indiviso e em nome da associação dos moradores da área, registrado no cartório de imóveis, sem qualquer ônus financeiro para a comunidade. Os títulos garantem a posse da terra, além do acesso a políticas públicas de educação, saúde e financiamentos por meio de créditos específicos. Atualmente existem 27 processos de regularização territorial cadastrados no Incra/PB.
Avanço da Regularização Quilombola na PBNa Paraíba, dos 27 processos abertos no Incra/PB para a regularização de territórios quilombolas, nove Relatórios Técnicos de Identificação e Delimitação (RTIDs) foram iniciados e destes, cinco foram publicados nos Diários Oficiais do Estado e da União: Engenho do Bonfim; Matão, em Gurinhém; Comunidade Urbana do Talhado, em Santa Luzia; e Pedra D’Água, em Ingá E Grilo, em Riachão do bacarmate. Espera-se que estas três últimas comunidades também tenham suas áreas regularizadas nos próximos meses.
As 22 famílias que vivem na comunidade Engenho do Bonfim – algumas há mais de 90 anos -, no município de Areia, o Incra se imitiu na posse da área de aproximadamente 122 hectares de terras de onde as famílias tiram sua subsistência. A regularização da área ocupada pela comunidade foi feita através de decreto assinado pelo presidente Lula no dia 20 de novembro de 2009.
Desde que foram criados os Serviços de Regularização de Territórios Quilombolas nas superintendências regionais do Incra, em 2003, foram instaurados 996 processos de regularização fundiária, publicados 117 RTIDs destas comunidades; publicadas 53 Portarias de Reconhecimento de Territórios Quilombolas e 31 Decretos de Interesse Social para fins de desapropriação.


Fonte: C&a Norte News

Programa Mulheres Mil qualificará mulheres brasileiras em situação de vulnerabilidade social

O programa Mulheres Mil, do Ministério da Educação em parceria com a Secretaria de Política para as Mulheres, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e Secretaria de Direitos Humanos, tem como objetivo atuar como uma política social de inclusão com recorte de gênero, e tem como foco de sua atuação mulheres em situação de vulnerabilidade social. No âmbito do programa, mulheres nessas condições passam a ter acesso à educação profissional e ao emprego e renda. Os projetos locais são ordenados de acordo com as necessidades da comunidade e levam em conta a vocação econômica regional.
Em 2012, o programa abrirá 20 mil vagas para qualificação profissional e elevação da escolaridade de mulheres em situação de vulnerabilidade social. A meta do programa, que faz parte do “Plano Brasil Sem Miséria”, do governo federal, é promover a emancipação social, econômica e educacional de 100 mil brasileiras até 2014. Por enquanto, mais de 9 mil mulheres já foram beneficiadas com o Mulheres Mil.

Mais informações sobre o programa podem ser acessadas  http://mulheresmil.mec.gov.br/

Programa Mulheres Mil qualificará mulheres brasileiras em situação de vulnerabilidade social

Concurso de Audiovisuais 2012 – Participação Política das Mulheres

Iº de Fevereiro á 30 de março de 2012.













"Paridade é Igualdade" é o slogan do Concurso de Audiovisuais 2012 lançado pela Reunião Especializada da Mulher do Mercosul (REM), da qual a Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) participa representando o Brasil. O objetivo é sensibilizar  para a necessidade de aumentar a participação política das mulheres em todos os âmbitos e conquistar a paridade de gênero.

PRÊMIOS - Poderão se inscrever metragens de até um minuto, que concorrerão a dois prêmios: 1° Prêmio Jurado REM, no valor de US$ 6.000,00 (seis mil dólares); e 2° Premio Jurado Popular, no valor de US$ 2.000 (dois mil dólares) - votação através da plataforma You Tube.

O envio de propostas dever ser feito no período de primeiro de fevereiro até 30 de março.


Acesse o sítio da http://www.mercosurmujeres.org/pt/concurso-de-curta-metragem-av12

Informe cobre o ano de 2011 e tem como subtítulo “O salto da autonomia: das margens ao centro”.

Segundo informe anual do Observatório da Igualdade de Gênero da América Latina e Caribe é disponibilizado onlineO primeiro informe divulgado pelo Observatório da Igualdade de Gênero da América Latina e Caribe foi apresentado em julho de 2010 durante a décima primeira Conferência Regional sobre a Mulher da América Latina e Caribe e analisou as conquistas e desafios que os governos dos países da região enfrentavam em resposta às persistentes condições de desigualdade social e de gênero no tocante à autonomia econômica e ao empoderamento econômico das mulheres.
 O segundo informe, lançado em novembro de 2011 com o subtítulo O salto da autonomia: das margens ao centro, oferece um novo olhar sobre os avanços, retrocessos e permanências em relação à autonomia física e econômica e em relação à tomada de decisões, cujo pano de fundo tem sido a agenda regional gerada pelos consensos regionais ratificados na décima primeira Conferência Regional sobre a Mulher da América Latina e Caribe, de acordo com a Plataforma de Ação da Quarta Conferência Mundial sobre a Mulher (Beijing, 1995).

O informe está disponível em formato .pdf, e pode ser descarregado clicando aqui.

O arquivo também pode ser acessado online no sítio do Observatório da Igualdade de Gênero da América Latina e Caribe.

analisa o impacto da crise econômica e financeira sobre a pobreza e o trabalho das mulheres

Um olhar para a crise vindo das margensNo documento “Una mirada a la crisis desde los márgenes” são abordados os principais enfoques e propostas examinadas durante a reunião “Análise da crise econômica e financeira a partir da perspectiva de gênero: entendendo seu impacto sobre a pobreza e o trabalho das mulheres”, realizada no México em julho de 2009. O debate acerca da crise econômica a partir de uma perspectiva específica, a das mulheres, permite questionar a corrente principal da economia e ver como, nas políticas públicas e na produção de informação estatal, as desigualdades que as mulheres enfrentam no mundo do trabalho são cobertas por um manto de invisibilidade. As apresentações realizadas durante a reunião abordam o impacto da crise sobre as mulheres e analisam o lugar que as mulheres ocupam no sistema econômico.

Uma contribuição muito significativa foi a integração do cuidado como atividade econômica e sua importância para a compreensão das repercussões da crise para as mulheres. Da mesma maneira, atenção especial é voltada para o estudo das medidas de enfrentamento à crise, com ênfase na situação das mulheres e nos diretrizes que permitam inovar no desenho das políticas públicas. A crise pode ser também uma oportunidade para olhar e repensar o modelo de desenvolvimento das sociedades da América Latina e Caribe. A pergunta de fundo, “que tipo de desenvolvimento se busca?”, pode ser respondida a partir de diferentes pontos de vista, mas, no caso em questão o que querem as mulheres é, sem dúvida, um desenvolvimento inclusivo e com igualdade.

A íntegra do documento, disponível apenas em espanhol, está em formato .pdf e pode ser descarregada clicando aqui.


O arquivo também pode ser acessado online no sítio da Divisão de Assuntos de Gênero da CEPAL.



 

O Retrato da Presença Feminina no Itamaraty por Viviane Rios Balbino .

O mundo diplomático é masculino. Por que?As mulheres não se interessam pela carreira diplomática? Então, como explicar a tímida presença feminina no Itamaraty?
Mergulhada nesse universo até então pouco explorado, Viviane Rios Balbino decidiu analisar números, com base na participação de mulheres nos Concursos de Administração à Carreira Diplomática, realizados entre 1993 e 2003, e sair em campo, entrevistando funcionárias do Ministério das Relações Exteriores.
O estudo resultou no livro “Diplomata – Substantivo Comum de Dois Gêneros. Um Retrato da Presença Feminina no Itamaraty no Início do Século XXI”, que será lançado no próximo dia 2 de fevereiro, às 19 horas, na Livraria Cultura Iguatemi, no Lago Norte, em Brasília – SHIN CA 04, Lote A, Loja 101.
Entre várias hipóteses levantadas para explicar o baixo interesse das mulheres pela carreira diplomática, bem como o baixo desempenho feminino nos concursos, está o efeito da imagem masculina projetada sobre essa carreira e a crença de que esse trabalho é incompatível com a opção de constituir família, no caso das mulheres.
A propósito do tema, algumas curiosidades registradas pelo Instituto Rio Branco: a primeira embaixadora do Itamaraty foi Odete de Carvalho e Souza, que chefiou o departamento político do ministério de 1956 a 1959;  a primeira colocada no concurso de 1918 foi Maria José de Castro, que teve sua admissão contestada pelas autoridades da época, mas a defesa brilhante de Rui Barbosa garantiu seu direito.
E mais: de 1919 a 1938 ingressaram no corpo diplomático 19 mulheres. Em 1938, um  decreto presidencial estabeleceu que somente homens poderiam ingressar na carreira. Em 1953, após ação judicial, a candidata Maria Sandra Cordeiro de Mello obteve o direito de servir ao Brasil como diplomata. Desde 1954, o concurso é aberto a todos os brasileiros. 
 
Comunicação Social SPM

Estátua de Cesária Évora vai embelezar aeroporto de São Vicente

Cabo Verde - O artista plástico cabo-verdiano Domingos Luísa já está a trabalhar numa estátua de três metros de Cesária Évora, a colocar no aeroporto de São Vicente, que vai passar, em Março, a designar-se Aeroporto Internacional Cesária Évora. 
Citada pela Inforpress, fonte da Aeroportos e Segurança Aérea (ASA), empresa que gere os aeroportos em Cabo Verde, o "baptismo" da renomeada infra - estrutura vai decorrer a 08 de Março próximo, numa cerimónia presidida por altos dignitários do Estado e que abarca ainda uma "grande manifestação cultural". 
  A organização do evento cultural está a cargo de José da Silva ("Djô"), empresário que ajudou a elevar "Cize" ao estrelado, e por Tito Paris, um dos mais renomados compositores e cantores cabo-verdiano. 
  A estátua da mais conhecida cantora cabo-verdiana, falecida a 17 de Dezembro último, ficará situada numa praceta em construção à entrada da aerogare. 
  A 22 de Dezembro de 2011, cinco dias após a morte da "Rainha da Morna", o Conselho de Ministros cabo-verdiano aprovou um projecto de resolução que atribuiu o nome de Cesária Évora ao Aeroporto de São Pedro, na ilha de São Vicente. 
  Na ocasião, o Governo ligou a homenagem ao reconhecimento à cultura cabo-verdiana e ao percurso de uma artista que "soube valorizar o país" e "levar a alma cabo-verdiana" a todos os cantos do mundo. 
  A "Diva dos Pés Descalços", como a imprensa se referiu muitas vezes a Cesária Évora, natural do Mindelo, contava 70 anos.
   A cantora cabo-verdiana faleceu no hospital Batista de Sousa, em São Vicente, onde se encontrava internada devido a uma "insuficiência cardiorrespiratória aguda e tensão cardíaca elevada". 

                   




Fonte: ANGOP

domingo, 22 de janeiro de 2012

Black Supermodels - Fashion Design by Oumou Sy

Banco do Brasil e 15 órgãos abrem prazo para 2,4 mil vagas na segunda

Pelo menos 16 órgãos abrem inscrições na segunda-feira (23) para 2.399 vagas e formação de cadastro de reserva em cargos de todos os níveis de escolaridade. Só na Prefeitura de Goiânia são 1.021 mil vagas. Já o Banco do Brasil abriu seu primeiro concurso de 2011 para cadastro de escriturário em 8 estados e no Distrito Federal. Os salários chegam R$ 11 mil na Prefeitura de Caçador (SC).
Os órgãos que abrem as inscrições na segunda-feira são os seguintes: Banco do Brasil, Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia, Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Amazonas, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Prefeitura de Bertioga (SP), Prefeitura de Caçador (SC), Prefeitura e Câmara de Espírito Santo do Dourado (MG), Prefeitura de Goiânia, Prefeitura de Itarana (ES), Prefeitura de Monte Mor (SP), Prefeitura de Nova Fátima (PR), Prefeitura de Porto Amazonas (PR), Prefeitura de Sobral (CE), Prefeitura de Varginha (MG), Prefeitura de Vitória e  Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 24ª Região, no Mato Grosso do Sul.

Banco do Brasil

O Banco do Brasil lançou concurso para formação de cadastro de reserva para o cargo de escriturário. O salário é de R$ 1.408,00 e haverá ainda gratificação semestral de 25% para 30 horas semanais.
O candidato deve ter curso de nível médio .
http://www.cesgranrio.org.br/concursos/evento.aspx?id=bb0112


Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia
http://www.quadrix.org.br/concursoconter2011.aspx


Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Amazonas
http://www.consulplanmg.com/concursos/concurso.php?id=330


Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará
http://qselecao.ifce.edu.br/concurso.aspx?cod_concurso=1470

Prefeitura de Bertioga (SP)
http://www.makiyama.com.br/concursos/bertprev012011/


Prefeitura de Caçador (SC)
http://www.ibam-concursos.org.br/

Prefeitura e a Câmara de Espírito Santo do Dourado (MG)
http://www.tendenciaconcursos.com.br/site/


Prefeitura de Goiânia
http://200.199.226.141/sistemas/sicon/asp/sicon00001f0.asp?txt_tela=1&txt_cd_concur=16


Prefeitura de Itarana (ES)
http://www.institutoiadi.org/ver_concurso.php?id=10


Prefeitura de Monte Mor (SP)
http://www.consesp.com.br/


Prefeitura de Nova Fátima (PR)
http://www.fauel.org.br/concurso-pm-novafatima.htm


Prefeitura de Porto Amazonas (PR)
http://www.portoamazonas.pr.gov.br/

Prefeitura de Sobral (CE)
http://www.sobral.ce.gov.br/sec/educacao/editais.php



Prefeitura de Varginha (MG)

Rio+20 abre credenciamento para sociedade civil e inscrições em eventos paralelos


Rio+20Organizações não-governamentais e outros "Major Groups" com status consultivo no Conselho Social e Econômico das Nações Unidas (ECOSOC) já podem fazer o pré-credenciamento de seus representantes para a Rio+20.

Instituições registradas na Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável também estão habilitadas para dar início ao processo obrigatório a todos os interessados em participar da Conferência (20-22 de junho) ou da terceira sessão preparatória (13-15 de junho). O prazo termina no dia 20 de maio.


Lançamento de livro marca as comemorações do Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa

O Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (CEAP) e a Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR) lançarão na segunda-feira (23), o livro Caminhando a Gente se Entende.
A iniciativa tem  o apoio da Fundação Cultural Palmares (FCP) que é o órgão vinculado ao Ministério da Cultura criado para preservar os valores de igualdade e valorização das manifestações de matriz africana em defesa da liberdade religiosa. 
O lançamento faz parte das comemorações pelo Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, comemorado todo dia 21 de janeiro. Em suas 115 páginas, o livro reúne fotografias das quatro últimas edições da Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa que já reuniu mais de 120 mil pessoas, na Avenida Atlântica, em Copacabana. Além de conter textos históricos documentados por representantes de diversas religiões, do movimento social negro e governo.   
Eloi Ferreira de Araujo, presidente da FCP, acredita que a iniciativa é uma importante contribuição para o combate à intolerância religiosa. “Temos o compromisso de promover e valorizar as tradições afro-brasileiras, assim como o respeito a todas as outras manifestações religiosas. E fazer uso do instrumento da legislação brasileira que assegura o direito do livre exercício desses cultos religiosos – o Estatuto da Igualdade Racial”, afirma. 
O interlocutor da CCIR, babalawo Ivanir dos Santos, ressalta que o livro é resultado de mais um grande esforço do grupo para mostrar a importância e necessidade de respeito ao Estado laico. “A Comissão tem alcançado muitas vitórias e o livro é uma delas. Ao olhar a obra, percebe-se como o movimento cresceu e a seriedade da Caminhada para todos, inclusive os que não têm fé, pois é também um direito deles”, revela. 
CCRI - Formada inicialmente por candomblecistas e umbandistas, a Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR) conta com a parceria de espíritas, judeus, católicos, muçulmanos, malês, bahá’ís, evangélicos, hare krishnas, budistas, ciganos, wiccanos e agnósticos. A Comissão tem por objetivo combater a prática do preconceito e da intolerância religiosa.   
Lei nº 11.635 Oficializada pela Presidência da República, a lei institui o Dia Nacional de Combate a Intolerância Religiosa. A data homenageia a sacerdotisa Gildásia dos Santos e Santos, a Mãe Gilda. Ialorixá do terreiro Axé Abassá de Ogum, em Salvador, Mãe Gilda morreu de enfarte, após ver sua foto publicada no jornal de uma igreja evangélica, acompanhada de texto depreciativo. 
Semanas antes, o terreiro de Mãe Gilda fora invadido por evangélicos. A Igreja Universal do Reino de Deus, responsável pela publicação da Folha Universal, foi condenada a indenizar a família da ialorixá.

Serviço:Lançamento do livro de fotografias Caminhando a Gente se entende
Quando: 23 de janeiro às 18 horas
Onde: Palácio Gustavo Capanema – Rua da Imprensa 16 – Centro – Rio de Janeiro

Ex -PM Luísa Diogo designada presidente do Barclays Bank



Ex-PM Luisa Diogo
Ex-PM Luisa Diogo
Maputo
- A antiga Primeira-ministra moçambicana, Luísa Diogo, foi nomeada oficialmente presidente do conselho de administração do Barclays Bank Moçambique, de capitais sul-africanos e o quarto maior do país em volume de negócio.
 Esta nomeação já era esperada desde Dezembro e foi confirmada na quinta-feira por Paul Nice, administrador delegado do banco.
  "A sua experiência nas áreas da economia e finanças e o seu profundo conhecimento da realidade moçambicana constituem valências ímpares que serão colocadas ao serviço da instituição e dos clientes", disse Nice, citado pelo jornal Diário de Moçambique, da Beira. 
 Luísa Dias Diogo, 53 anos, foi nomeada Primeira - ministra em 2004, na fase final do último governo do Presidente Joaquim Chissano, tendo transitado nas mesmas funções para o primeiro mandato do actual chefe de Estado, Armando Guebuza.
  Em 2009 abandonou o cargo, ocupando o lugar de deputada pela FRELIMO na Assembleia da República.
  Outro antigo Primeiro-ministro, Mário Machungo, que exerceu funções no tempo de Samora Machel, é igualmente presidente de um banco, o Millennium BIM, do grupo português BCP, que lidera o "ranking" bancário do país. 


Fonte: ANGOP

Brasil reafirma compromisso ambiental


Izabella Teixeira - Ministra

(Arquivo) A ministra Izabella Teixeira A nomeação do brasileiro Bráulio Dias como secretário da Convenção sobre Biodiversidade é um reconhecimento da liderança ambiental do Brasil, que abriga a maior floresta tropical do mundo e irá sediar a reunião de cúpula das Nações Unidas Rio+20, disse a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira.
"É uma notícia espetacular, com a Rio+20 sendo realizada em junho no Rio de Janeiro, e é um sinal, não apenas dos grandes resultados (do Brasil na área), mas também um reconhecimento da liderança ambiental" em que o país está empenhado, afirmou a ministra.
O novo secretário da ONU informou que sua prioridade será preparar a reunião que acontecerá na Índia em outubro, e enfrentar o "grande desafio" de captar recursos para tornar efetivo o programa de ação do acordo de Nagoya, que impõe metas para a biodiversidade.
Secretário também de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, Dias garantiu que lutará para levar adiante os grandes objetivos da Convenção: "conservar a biodiversidade do planeta, usá-la de forma sustentável, e dividir os benefícios gerados pelos recursos genéticos entre as comunidades indígenas e locais".

Fonte : Yahoo

Ativistas da Femem voltam a tirar suas roupas como protesto .

   As ativistas da Femem, uma diferenciada organização feminista da Ucrânia, voltaram a tirar suas roupas neste sábado, em frente ao Parlamento búlgaro, para protestarem contra a violência doméstica e o tráfico de pessoas.
As ucranianas Oxana Shachko e Inna Schevschenko, além de mais uma ativista búlgara que não quis se identificar, entre 21 e 24 anos, optaram por tirar a roupa e fazer parte do protesto mesmo com o frio de quase zero graus na capital búlgara.
"Prisão aos agressores", gritavam as mulheres, que, em seguida, chegaram a dar leves socos em vários jornalistas que cobriam o protesto para exemplificar, argumentaram as jovens, como sofrem as mulheres vítimas de violência doméstica.
"Nosso Deus é mulher, nossa missão é o protesto e nossas armas são os seios. Mostrar os seios é o único modo de ouvirem nossa voz e, por isso, os mostramos", explicou uma das ucranianas.
As mulheres da Femem são reconhecidas por suas provocativas ações em defesa aos direitos da mulher.
Segundo a Femme, uma em cada quatro mulheres búlgaras é vítima da violência doméstica, um número que pode ser mais alto, já que muitas mulheres não denunciam os maus tratos à polícia. EFE

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

MORRE DIVA e MATRIARCA DO SOUL - ETTA JAMES

Etta James, , morreu nesta sexta-feira aos 73 anos no hospital Riverside na Califórnia, segundo a CNN. A diva do soul sofria de leucemia, hepatite C e demência. A morte foi confirmada por seu amigo de longa data e empresário, Lupe De Leon.
"É uma grande perda para a família, os amigos e todos os fãs pelo mundo. Ela era original, capaz de cantar tudo", disse De Leon.
O nome verdadeiro da cantora, que começou sua carreira em 1954, era Jamesetta Hawkins. Em 1955, a música "The Wallflower" já estava no topo das paradas de R&B. Considerada a "matriarca do Blues", a diva lançou uma infinidade de sucessos, como "I'd Hather Go Blind", "Stormy Weather", "A Sunday Kind of Love" e "Don't Cry Baby". Seu maior hit foi "At Last", que pertence ao disco de mesmo nome lançado em 1960.



     On April 7, 2009, Etta James  appeared on Dancing with the Stars as a guest ...


Terra Negra
Neuza Pereira




África-mulher princípio-ninho.
Mátria-África matriz transformadora.
Telúricas poeiras e montanhas se fundem.
Criadoras e Criaturas se confundem.
Terra, planeta de seios fartos, que  a  todos alimenta.
Terra, trilha chã, que produz, trilha fêmea, sã que conduz.
Terra-chão, terreiro, segurança e firmeza...
meu caminhar primeiro.
Terra ora, cultura gera, ora cultiva hera.
Mulher, terra, existência que se perpetua.FYI this is what Etta James  looked like as a young singer:
Tás, oyás euás, negras terras, mulheres negras...
Resistência que se cultua!





Etta James - Try A Little Tenderness

Etta James - It's a Man's Man's World

Etta James - Spoonful

etta james I'd Rather Go Blind

Etta James - At Last

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Oficinas de Percussão e Dança do Fala Tambor

 
Sexta-feira dia 20/01 de 19:30 às 22:00 continua as 
Oficinas de Percussão e Dança do Fala Tambor.
 
Objetivo das aoficinas serão para  montagem do Bloco Afro Fala Tambor. Sendo assim,  quem quiser aprender a tocar e dançar está convidado.
 
As oficinas são abertas a todas as idades.
 
Local: Rua Ouro Branco Nº38 Bairro Pompéia ( fica próximo ao final da rua Niquelina) Belo Horizonte Minas Gerais
 
Valor: 0800


Se tiver podem trazer instrumentos.
 
Maiores informações com - Telma Gomes:   Associação Movimento Cultural Fala Tambor.
                                                   31 9862-0675 / 8826-0541 / 9284-1788

FALA TAMBOR! Carlinhos de Oxossi

Movimento feminista no fórum social mundial 2012: Trabalho das Mulheres e Justiça Socioambiental

Durante o FSM (24-29 Jan), redes feministas vão debater a incidência na Cúpula dos Povos, que ocorrerá paralelamente à Rio + 20.

Trabalho das Mulheres e Justiça Socioambiental.

A partir deste tema o movimento feminista estará realizando no Fórum Social Mundial temático em Porto Alegre, de 24 a 29 de janeiro, uma atividade de articulação de redes e organizações de mulheres para promover incidência política do movimento na Cúpula dos Povos, que ocorrerá em meados do ano, no âmbito da Rio + 20.
A Iniciativa tem à frente a AMB - Articulação de Mulheres Brasileiras, e está sendo puxada pelo SOS Corpo, Cfemea, Coletivo Leila Diniz e Cunhã. A AFM - Articulação Feminista Marcosur, uma das redes que desde o inicio atua na construção do Fórum Social Mundial, também é promotora desta articulação. O debate que as feministas estão levando para o Fórum, e para a Rio + 20, se propõe a enfrentar o mito da neutralidade da crise ambiental, demonstrando como ela impacta de forma avassaladora a vida cotidiana das mulheres e da população negra submetidas às condições de pobreza.
Estamos vivendo hoje no mundo diferentes crises: climática, de alimentos, energética, financeira... O forte no debate do momento é a crise ambiental que coloca em risco a sustentabilidade da vida no planeta. É, ao mesmo tempo, uma crise do padrão de acumulação capitalista, ou seja, o modelo de desenvolvimento adotado pelos Estados-Nação e pelas empresas capitalistas. Ele é produtor da crise e ao mesmo tempo um produto dela. Embora tudo isso esteja acontecendo de fato, penso que estamos vivendo uma crise civilizatória. O que está em cheque não é apenas o meio ambiente ou a acumulação capitalista, mas todo o modo de produção, consumo e organização da vida social ao qual estamos submetidas.
O modelo de civilização que predomina é o baseado na exploração dos seres humanos e da natureza. A riqueza é apropriada por poucos e se constrói por meio do trabalho e da exploração de muitos, e da apropriação da natureza, sem limites. Este formato é ‘naturalizado’ por processos ideológicos e está diretamente ligado às formas de dominação próprias do sistema patriarcal - sistema de dominação dos homens sobre as mulheres, e do racismo - que confere valor e poder às pessoas brancas e oriundas de países centrais deste modo de desenvolvimento capitalista, em prejuízo às pessoas dos países que foram colonizados, de etnias originárias destes países, ou que são negras, afro-descendentes.
Embora vivamos uma crise civilizatória que diz respeito à toda humanidade, o fato de vivermos num sistema capitalista, patriarcal e racista, faz com que os efeitos não nos atinjam a todos/as com a mesma intensidade. As mulheres, as pessoas negras, indígenas e outros grupos étnicos dominados são atingidos de forma distinta dado a sua situação nas relações de poder na sociedade e as realidades socioeconômicas, territoriais e culturais que vivenciam. Vendo por este ângulo, falar em racismo ambiental significa que as populações negras e indígenas são aquelas mais fortemente atingidas pela degradação ambiental e sofrem as maiores conseqüências da crise climática.
Nossa crítica feminista, na AMB, tem tomado como referência as ideias sobre patriarcado, as nossas lutas contra os projetos de desenvolvimento e suas conseqüências sobre as mulheres e as nossas experiências com relação às mulheres quilombolas, indígenas e de outras populações tradicionais. O patriarcado, como sistema de dominação dos homens sobre as mulheres em todos os âmbitos da vida, é anterior ao capitalismo e a colonização da América Latina, mas se fortalece com esta forma civilizatória dominante. A crítica feminista a este modo de organização social toma como referência a exploração e a dominação das mulheres perpetuadas pelo sistema patriarcal-racista-capitalista. Também consideramos relevante resgatar que nós, mulheres, individualmente e como sujeitos políticos coletivos, resistimos e lutamos contra este sistema.
No Brasil, o patriarcado e o capitalismo estão completamente articulados desde a ocupação do território pelos portugueses. Ambos se estabeleceram a partir da dominação étnica-racial.
Este(s) sistema(s) se retroalimentam, no domínio econômico e político do território, da natureza, dos povos escravizados e/ou dizimados, e em especial, das mulheres. O domínio e exploração da natureza se articulam diretamente com o domínio da força de trabalho humana escravizada, e com a sobre-exploração das mulheres. Para além da exploração econômica, este sistema(s) constitui uma profunda força ideológica de negação da população racializada, seu corpo e seu ser, como humanidade, e gera as condições para a manutenção do racismo na formação social brasileira.
A consequência disso é que hoje somos nós mulheres que vivemos as piores condições de exploração, incluindo nossos corpos para fins sexuais, nos territórios de implantação de grandes projetos econômicos; são as mulheres negras, pobres e encarregadas das famílias que vivem nos territórios urbanos submetidos às piores condições ambientais; são as mulheres, indígenas, quilombolas e trabalhadoras, que têm menos poder nas organizações políticas e nos processos de negociação com o Estado brasileiro para fins de garantias de direitos e de seu território.

"Ainda hoje continuamos sendo colonizadas, nossos corpos, nosso tempo, nossa força de trabalho... Por isso, queremos dialogar sobre nossas vidas, nossas lutas, o mundo que queremos viver e o que nós mulheres feministas, indígenas e não indígenas, podemos e queremos fazer juntas, para transformar o mundos e as nossas vidas".

Fórum Social Mundial / 24 a 29 de janeiro 2012 - Porto Alegre

Porto Alegre abrigará, de 24 a 29 deste mês de janeiro, o FSM () centrado no tema “Crise capitalista – justiça social e ambiental”.
O evento é uma das atividades preparatórias da Cúpula dos Povos da Rio+20, que se reunirá na Cidade Maravilhosa entre 20 e 21 de junho de 2012.
O FSM se realiza no momento em que vários povos se movimentam por liberdade e democracia, como ocorre no mundo árabe. No Ocidente, a crise do capitalismo suscita o movimento Ocupem Wall Street. As duas manifestações têm em comum clareza quanto ao que não se quer, sem, no entanto, apresentar propostas alternativas viáveis. 
No último 15 de outubro, houve mobilizações em quase 1000 cidades de 82 países! No mundo andino, povos indígenas questionam o modelo capitalista de desenvolvimento e resgatam os valores do bem viver - sumak kawsay
Como resultado da incompetência de um sistema que prioriza a acumulação privada da riqueza em detrimento dos direitos humanos, sociais e ambientais, o capitalismo conhece, agora, nova crise. Diante dela, a reação dos donos do poder é o samba de uma nota só: austeridade, cortes, aumento de impostos e desemprego, flexibilização das leis trabalhistas, congelamento de salários. 
Salvam-se os bancos e dane-se a população. Mais miséria à vista; jovens sem perspectiva de futuro, condenados à droga e ao crime; fluxos migratórios desordenados.
Do lado da esperança, e após três décadas de globocolonização neoliberal, as manifestações sinalizam valores positivos como a empatia pelo sofrimento alheio, a solidariedade, a defesa da igualdade, a busca de justiça, o reconhecimento da diversidade e a preservação ambiental. Sem esse universo ético não há esperança de se construir um outro mundo possível.
É preciso reinventar a convivência humana. E, da parte dos donos do poder, não há nenhuma proposta fora da preocupação de não refrear a roleta do cassino global. A crise ambiental é ignorada pela ONU, pelos governos dos EUA e da União Européia, e nada garante que a Rio+20 conseguirá reunir, como na Eco-92, chefes de Estado dos países do G8.
Mercantiliza-se a vida, destroem-se os ecossistemas, reduz-se rapidamente a biodiversidade. Em todo o planeta, acentuam-se os empreendimentos extrativistas, sem nenhuma preocupação com seus impactos sociais e ambientais. Áreas fundiárias são descaradamente transnacionalizadas em países do Terceiro Mundo. 
Em Belém 2009 e Dakar 2011, o FSM deu passos significativos na busca de alternativas ao desenvolvimentismo e ao consumismo, tendo em vista a preservação ambiental. Agora, a luta social é oxigenada pela busca de democracia e soberania nos países árabes, e as amplas manifestações, na Europa e nos EUA, contra a lógica necrófila do neoliberalismo. 
Se outro mundo é possível, isso se dará a partir da convergência de todas essas mobilizações, da sincronia entre todos que lutam pela preservação ambiental, do diálogo entre as forças sociais e políticas convencidas de que dentro do capitalismo não há salvação para o futuro da humanidade.
O FSM de Porto Alegre 2012 deverá ser o ponto de encontro de sujeitos políticos capazes de apontar uma saída para a crise e as bases de construção de um novo modelo civilizatório, no qual predomine a globalização da solidariedade. E dele poderão brotar propostas temáticas para abastecer aqueles que, em junho, se encontrarão na Cúpula dos Povos (Rio+20).
A dinâmica do FSM 2012 será à base de grupos temáticos, de modo a acolher experiências e contribuições dos participantes em torno de quatro eixos transversais: 1. Fundamentos éticos e filosóficos: subjetividade, dominação e emancipação; 2. Direitos humanos, povos, territórios e defesa da Mãe-Terra; 3. Produção, distribuição e consumo: acesso à riqueza, bens comuns e economia de transição; 4. Sujeitos políticos, arquitetura de poder e democracia.

Fonte A Gazeta

Polícia Federal investiga blog por incitação à violência contra negros e mulheres

A pedido da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM), a Polícia Federal está realizando investigação do blog http://silviokoerich.com ou http:/silviokoerich.blogsopt.com, através de de cooperação policial com a Embaixada dos Estados Unidos no Brasil, por meio do Federal Bureau of Investigations (FBI). O resultado desse trabalho, de acordo com a PF, será anunciado em momento oportuno.
O esclarecimento foi dado, através de nota assinada pelo diretor-geral da Polícia Federal, delegado Leandro Daiello Coimbra, em resposta a encaminhamento de denúncias de diversos órgãos e entidades ligadas a direitos sobre o conteúdo discriminatório - apologia ao crime e incitação à violência contra negros e mulheres - publicado no do blog, para a SPM.

INTERPOL - Como o blog está hospedado em domínio de propriedade de empresa localizada nos Estados Unidos, a Ouvidoria da secretaria já havia entrado em contato com a Adidância da Polícia Feceral em Washington, que acionou a Interpol.
No entanto,  a polícia internacional salientou que precisava do envio de uma Carta Rogatória do Brasil, via Itamaraty, com pedido de assistência para o caso.
Em seguida, a Ouvidoria reenviou a solicitação para a Ouvidoria do Ministério das Relações Exteriores.
A ministra Iriny Lopes deixa claro, ao documentar as denúncias, que são necessárias uma rigorosa apuração e também punição dos responsáveis por essa forma de discriminação e violência contra a mulher. 
Comunicação Social SPM