terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Duas quadrilhas que traficavam brasileiras para serem exploradas sexualmente no exterior foram desbaratadas


 

Polícia Federal desbarata duas quadrilhas que traficavam brasileiras para o exterior




No total, as operações levaram ao resgate de 40 vítimas do tráfico internacional de mulheres, entre brasileiras e estrangeiras, que eram exploradas sexualmente na Espanha.
O resultado das operações foi divulgado no dia (1º) de fevereiro,  pela ministra da Secretaria de Políticas para Mulheres da Presidência da República, Eleonora Menicucci, e pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.
As prisões foram feitas em parceria com a polícia da Espanha a partir de denúncias colhidas pela Central de Atendimento à Mulher, o Ligue 180 Internacional, serviço coordenado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, e repassadas pelo Ministério da Justiça ao governo daquele país.
Na primeira operação, realizada em Ibiza em junho de 2012 e batizada de Palmera, foram resgatadas 28 mulheres, das quais seis eram brasileiras, com o seu desdobramento, foram resgatadas mais seis vítimas. Na segunda, a Planeta, deflagrada na quarta-feira (30) em Salamanca, foram resgatadas seis vítimas, sendo duas brasileiras.
“São jovens, são pobres e foram aliciadas por pessoas brasileiras ou estrangeiras. Elas ficam confinadas, presas em porões das casas, dentro das próprias boates e casas noturnas e são exploradas sexualmente,” disse a ministra Eleonora Menicucci.
A Operação Planeta teve início a partir da denúncia feita pela mãe de uma das vítimas, que recebeu uma rápida ligação da filha, explorada sexualmente no exterior, relatando o seu desamparo. A ligação fez com que a mãe lembrasse de cenas da novela Salve Jorge, que trata do tráfico de pessoas.
De acordo com Eleonora , os aliciadores disseram que a vítima iria trabalhar como operadora de caixa de restaurante, “mas ela acabou sendo explorada sexualmente e inclusive teve a sua vida ameaçada”, disse. A ministra revelou as quadrilhas ganhavam R$ 1 mil por cada pessoa que conseguiam levar para o exterior.
A operação, de acordo com a Polícia Federal, resultou na prisão de um casal de brasileiros, em Salvador (BA), que  recrutava jovens com a promessa de emprego no exterior.
De janeiro a dezembro de 2012, o Ligue 180 Internacional recebeu 80 denúncias, das quais, 30 vieram da Espanha, 25 da Itália, 18 de Portugal e duas de El Salvador, países onde o serviço está disponível. O serviço também registrou  ligações da França, da Inglaterra, da Suíça e de Luxemburgo. “Tudo o que nós estamos construindo em nossa rede de enfrentamento e com o Ligue 180 é resultado da consolidação da Lei Maria da Penha,” disse Eleonora.
Do total de ligações recebidas, 40% são pedidos de informações e 60% são pedidos de socorro. A violência física é a que mais gera denúncias, com 51%, seguida de violência psicológica (33%) e violência moral (6,6%). Apenas 5% relatam alguma associação com tráfico internacional de pessoas.
Na avaliação do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, o pequeno percentual de denúncias se deve ao tipo de crime. “Uma das maiores dificuldades que se tem ao combater o tráfico de pessoa é que as pessoas não denunciam. Sem a denúncia e sem a confirmação, nada se faz”, disse. De acordo com Cardozo, as vítimas têm vergonha de denunciar e também temem sofrer retaliações dos aliciadores.
A ministra Eleonora Meniccuci disse que o governo estuda a ampliação do Ligue 180 Internacional. Criado em novembro de 2011, o serviço atende brasileiras em situação de violência na Espanha, na Itália e em Portugal. A ministra também fez um apelo para que as pessoas denunciem mais este tipo de crime.
“Nós do governo federal temos adotado uma postura de uma política obcecada e determinada para combater o tráfico de pessoas. Quero chamar todas as mulheres e homens do Brasil para denunciar esse tipo de situação. Não podemos deixar que as pessoas sejam vítimas dessas quadrilhas", disse.

Nenhum comentário: