sábado, 26 de janeiro de 2013

Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial sugere treinamento para combater racismo institucional


O treinamento de funcionários para não reproduzir práticas racistas poderia ser uma das medidas adotadas pela concessionária de automóveis importados BMW Autocraft, acusada de discriminar uma criança negra na capital fluminense. A Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) se disponibilizou para apresentar um programa específico para a revendedora da BMW.
De acordo com o ouvidor da pasta, Carlos Alberto Junior, o governo não pode recomendar nenhuma medida para as instituições privadas ou públicas combaterem o chamado racismo institucional, mas pode sugerir a adoção de curso de capacitação voltado para o enfrentar o problema e que é desenvolvido por uma série de empresas como a Petrobras.
“Não cabe à Seppir fazer recomendações à iniciativa privada, mas sugerimos, se eles quiserem  requalificar a equipe, adesão ao Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça. Só não vamos procurá-los para não haver intervenção”, explicou Carlos Alberto. A ouvidoria  é o órgão do governo responsável por receber denúncias de racismo e encaminhar ao Ministério Público.
A Seppir presta apoio ao consultor Ronald Munk e à professora Priscilla Celeste cujo filho adotivo de 7 anos,  que é negro, foi discriminado na concessionária BMW Autocraft, na zona oeste do Rio no início do mês. O caso ganhou repercussão depois que a família não aceitou as explicações da revendedora para o ocorrido e denunciou o caso na internet.
Segundo a mãe da criança, o gerente de vendas da revendedora mandou o menino sair da loja quando o garoto, que estava distante assistindo televisão, se aproximou dos pais. O funcionário  não percebeu que o menino era filho dos clientes, segundo a mãe. Por meio de carta, o casal relatou o fato à direção da concessionária, que classificou o caso como um mal-entendido.
“O mal-entendido é uma desculpa  para situações de racismo. 'Não foi bem isso que meu funcionários quis dizer, você entendeu errado, não chamei de neguinho'. Não entendemos nada errado, aconteceu, o gerente não imaginou que aquele menino era nosso filho”, disse Priscilla. A concessionária e o escritório da BMW no Brasil não responderam à Agência Brasil.
De acordo com o ouvidor da Seppir, Carlos Alberto, é comum casos de racismo serem classificados como mal-entendido. Para ele, a sociedade brasileira “atura o racismo”.
“Ficamos chocados quando uma pessoa chama um negro de macaco, mas o fato de  uma criança negra ser agredida por estar com uma família branca é um mal-entendido, porque ele poderia estar pedindo esmola ou vendendo bala. Mas se a cor dessa criança fosse outra, ele teria sido expulso [da concessionária]? Não é a questão de estar vendendo bala é por ele ser negro”, disse.
Os Munk têm  mais de 75 mil seguidores na página do Facebook Preconceito Racial Não É Mal-Entendido, criada pela família da vítima para provocar uma retratação da empresa. “Não nos interessa indenização, queremos um compromisso  para que isso não aconteça mais. Tentar descaracterizar, nessa toada do mal-entendido, não nos leva adiante”, disse a mãe.
Fonte: EBC

Nenhum comentário: