sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Mulheres têm menos empregos e salários menores que homens na América Latina

América Latina - As mulheres da América Latina e do Caribe estão quase uma vez e meia mais expostas ao desemprego que os homens e recebem salários em média um terço menores que seus colegas, segundo um relatório redigido por cinco agências da ONU que convocou os países a tratar a igualdade de gênero como prioridade das políticas sociais.
O documento "Trabalho decente e igualdade de gênero: políticas para o acesso e a qualidade do emprego das mulheres na América Latina e no Caribe", que a Agência Efe teve acesso, foi apresentado na XVIII Conferência Interamericana de Ministros do Trabalho (CIMT), que termina hoje em Medellín.
De acordo com o documento, a taxa de desemprego das mulheres na região (9,1%) é 1,4 vezes maior que a dos homens, de 6,3%. Apesar de existirem 100 milhões de trabalhadoras hoje e da taxa de emprego ter chegado a 52,6% delas, ainda é muito inferior à masculina, que é de 79,2%.
A maioria das mulheres no mercado de trabalho tem, segundo a OIT, entre 25 e 45 anos.
Elas estão mais bem preparadas que seus companheiros de trabalho, segundo o relatório. Enquanto 53,7% das empregadas tinha uma educação de mais de dez anos, nos homens só 40% alcançam esta escolaridade.
Outro obstáculo que as mulheres na América Latina e no Caribe enfrentam é a precariedade. Elas têm 60,7% de probabilidades de conseguir um emprego, enquanto eles têm 68,5%. Além disso, costumam desempenhar mais atividades não remuneradas que os homens.
A brecha salarial é um dos principais elementos que marcam a desigualdade de gênero, pois enquanto em 2000 elas ganhavam 66% do salário dos homens, em 2010 esta porcentagem cresceu para 68%.
No momento de começar a trabalhar em uma empresa os salários entre homens e mulheres costumam ser equilibrados, mas segundo o relatório vão descompensando à medida que os homens têm acesso a ocupar maiores cargos com responsabilidades e rendas maiores.
A diretora regional da Organização Internacional do Trabalho (OIT) para a América Latina e Caribe, Elizabeth Tinoco, afirmou durante a apresentação do relatório que "é hora de colocar a igualdade de gênero como um objetivo geral e transversal de políticas sociais e econômicas, já que os avanços em igualdade dos últimos 30 anos foram importantes, mas insuficientes".
Tinoco ressaltou que "não só há desigualdade de gênero, mas também enormes desigualdades entre as mulheres", e que "não é o mesmo ser uma mulher indígena ou afrodescendente, ser jovem, residir em áreas urbanas ou rurais, viver em seu país ou ser imigrante, ter ou não filhos, ou estar na terceira idade".
As agências que elaboraram o relatório são OIT, Comissão Econômica Para a América Latina e o Caribe (Cepal), Organização da ONU para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Fundo das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e ONU Mulheres.

Fonte: Patricia Galvão 

Nenhum comentário: