sexta-feira, 16 de junho de 2017

Olimpíada Internacional de Matemática estreará premiação para mulheres

Por Mônica Aguiar 

Será a primeira fez que a Olimpíada Internacional de Matemática (IMO 2017), estreará uma premiação especial para mulheres, que passará a fazer parte do calendário do evento.
Com representantes de 110 países, a olimpíada acontecerá de 17 a 23 de julho, no Rio de Janeiro e reúne estudantes do ensino médio do mundo todo.

Sugerido pelo Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), o Troféu IMPA Meninas Olímpicas vai premiar as cinco estudantes que mais contribuírem com o resultado de suas equipes, com o objetivo de incentivar a presença feminina na competição.

O diretor do IMPA, Marcelo Viana, estima que cerca de 10% dos participantes da olimpíada sejam mulheres, patamar próximo da realizada em 2016, quando 71 dos 602 competidores eram do sexo feminino. 
A delegação brasileira de 2017 é formada apenas por homens, são seis no total,  os  nomes foram anunciados  terça-feira (13).  

O Brasil teve durante no seu histórico de participação nas Olimpíadas,  apenas  seis mulheres competindo na IMO: Leda Braga, em 1983; Maria Célia Paiva de Freitas, em 1988; Fátima Luciana da Rocha, em 1992; Daniele Veras de Andrade, em 1998; Larissa Cavalcanti Queiroz de Lima, em 2002 e 2003; e Deborah Barbosa Alves e Maria Clara Mendes Silva 2011 e 2012.

Para o Diretor do IMPA. "Esse é um processo que certamente vai demorar um tempo para evoluir, mas a gente tem que agir, porque é um círculo vicioso. Se são poucos os exemplos para elas se inspirarem, as garotas acham que aquilo não é para elas".
O pesquisador ainda diz que  há pressão cultural contrária à presença de mulheres na matemática, graças a uma ideia equivocada de que elas têm mais inclinação para as ciências humanas. "É uma besteira que se perpetua, então, a gente tem que atuar e acreditar que é um processo de médio e longo prazo".

O número de mulheres na competição ficou estabilizado entre 2011 e 2016, quando oscilou entre 57 e 51 participantes, com altas e baixas. A participação de 71 mulheres em 2016 foi o recorde da competição, que teve no ano passado o maior número de competidores da história. Com esses números, foram 11,8% de atletas mulheres disputando medalhas.

Fontes: G1/EBC/

Nenhum comentário: