sexta-feira, 10 de março de 2017

Prémio Oréal-UNESCO de 2017 - Duas Africanas Vencem

Paris, França - Uma Sul-africana e uma Tunisina estão entre 15 jovens que contribuíram, de forma excepcional, para a ciência no quadro da 19ª edição do Prémio Oréal- Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) para mulheres e ciência, soube hoje, sexta-feira, a PANA de fonte oficial.


Entre as 15 bolseiras das Jovens Talentosas Internacionais de 2017, selecionadas entre mais de 250 candidatas, repartidas em cinco categorias, figura a sul-africana Stéphanie Fanucchi, biologista molecular, recompensada pelo seu trabalho intitulado “Compreender os Subtis Mecanismos do Sistema Imunitário”, classificado na categoria “Pistas Inéditas para Imaginar Novos Tratamentos Médicos”.

Na categoria “Renovar as Fontes Potenciais de Medicamentos”, a Tunisina Rym Ben Sallen, biologista, definida pela sua pesquisa sobre “A Promessa de Novos Antibióticos”.
As premiadas receberão 21 de Março corrente, uma bolsa das Jovens Talentosas Prometedoras Internacionais em Paris, na França, para as ajudar a continuarem as suas pesquisas.
Antes disto, elas vão participar numa cerimónia de entrega dos prémios, a 23 agora em março em Mutualité, na capital francesa, ao lado de cinco outras vencedoras de 2016, bem como numa semana de eventos, formações e trocas.

O Programa Oréal-UNESCO para as Mulheres e Ciência promove, em cada ano, desde 1998, cientistas com percursos excepcionais, provenientes de todas as regiões do mundo, e encoraja talentos de mulheres "novatas" na carreira e cujos trabalhos são prometedores.

Vale a pena saber:
  • Apenas 30% dos profissionais de ciência são mulheres;
  • No ano de 2016, pela primeira vez, a NASA teve uma turma de astronautas com a mesma quantidade de homens e mulheres;
  • Apenas 3% dos prêmios Nobel Científicos foram dados a mulheres, dentre os quais, 80% foram em medicina;
  • As equipes científicas que respeitam a paridade são 34% mais citadas pelos seus pares (fonte: universidade de Montreal);
  • A média de participação das mulheres nas pesquisas na América Latina e Caribe é 44%;
  • No geral hoje, uma menina da graduação no ensino médio tem, em média, 35% de probabilidade de se matricular em um bacharel científico, 18% de chance de se formar, 8% de fazer um mestrado e 2 % de ser uma doutora em ciência. Para os homens, essas probabilidades são, respectivamente: 77%, 37%, 19% e 6%. (fonte: BCG 2013);

Agendas no Brasil Dia Internacional das Mulheres  que vão falar sobre ciência, mulheres e empoderamento.

Rio de Janeiro: O Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast) promove, hoje, dia 10 de março, a terceira edição do Dia das Meninas. Das 9h30 às 17h, várias oficinas e palestras serão realizadas no Campus da instituição, todas relacionadas à importância da participação feminina na Ciência. Inscreva-se aqui https://goo.gl/9RXqWz

Quem não é do Rio poderá acompanhar o evento, pois será transmitido ao vivo pelo  site do MAST

Manaus: Para celebrar o Dia Internacional da Mulher, a Coordenação de Extensão do Inpa realizará amanhã (8/3) a primeira Roda de Conversa do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. A iniciativa tem como proposta fazer encontros mensais. Nesta primeira edição o tema será “Mulheres na Ciência”.
A Roda de Conversa terá a presença da nossa vencedora de 2016 Fernanda Werneck.
Vem saber mais: https://goo.gl/eKqhc3

São Paulo: O Centro Acadêmico Rosalind Franklin Junto com a Comissão de Cultura e Extensão do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo irão homenagear as mulheres cientistas e debater a vivência e os obstáculos das mulheres na vida acadêmica. O evento será no dia 8 de março no Instituto de Ciências Biomédicas, na Cidade Universitária. Mais detalhes: https://goo.gl/j2RsbB


 Fontes: ANGOP/SAPO/For Women si Science

Nenhum comentário: