sexta-feira, 11 de outubro de 2013

No Quênia, mulheres se juntam para abrir processo pela posse do terreno de uma das maiores favelas do país






Na justiça, mulheres vão alegar que a propriedade privada do terreno das favelas é uma das causas da falta de condições básicas para viver no local




NAIRÓBI – Um grupo de mulheres residentes da favela Mukuru, na capital do Quênia, Nairóbi, planeja entrar com ações na justiça em nome dos cerca de 400 mil habitantes da região para que a propriedade do terreno passe para os atuais moradores.
Em entrevista ao jornal The Guardian, uma das líderes do movimento, Dorice Bosibori Moseti, de 31 anos, afirmou que a propriedade privada do terreno impediu, até hoje, a construção de instalações sanitárias adequadas e desenvolvimento de melhores condições de moradia na região.
Isso seria um risco principalmente para mulheres, que são obrigadas a caminhar grandes distâncias para usar o banheiro, por exemplo, sujeitando-se ao risco de violência sexual.
“Morar em Mukuru é muito difícil. As mulheres vão em arbustos perto de suas casas para fazer suas necessidades e temos medo dessa situação”, afirmou. Outro argumento do grupo é que, como todo queniano, eles também têm direito à propriedade da terra e agora têm o dinheiro para melhorar suas moradias.
Uma das inspirações para a abertura dos processos pelas mulheres da favela Mukuru, previsto para ocorrer até o final desse ano, é outro processo aberto pela ONG Muungano wa Wanavijiji, em setembro, que pretende reaver a propriedade de edifícios que hoje pertencem a posseiros.
A expectativa é que os dois casos se complementem e mostrem aos juris as consequências negativas da propriedade privada – por empresas ou outras pessoas –  do terreno no qual uma favela está instalada.

Nenhum comentário: