quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Eu só peço a Deus - Mercedes Sosa e Beth Carvalho - music4peace



Espero que esta música propicie em todas as mulheres a indignação, a revolta, a ultopia e vontade de viver ! Somente assim mudaremos este guadro de tamanhas injustiças, já com perdas de grandes conquistas! Somos grande se formos unidas . Mônica Aguiar

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Você Sabe a Cor de Deus?


A Escola Olodum, patrocinada pela Petrobras, realiza no dia 17 de novembro de 2015, o Seminário Você Sabe a Cor de Deus? Brasil, mostre a sua cara!!! - Práticas e desafios na garantia da diversidade religiosa, manutenção do estado laico e da democracia. O Seminário ocorrerá no Auditório do Museu Eugênio Teixeira Leal - Rua do Açouguinho s/n - Pelourinho - Salvador-Ba, das 14 às 18 horas e é voltado para profissionais da área da educação formal e não-formal, estudantes de diversas áreas, diretores e coordenadores da rede estadual e municipal de ensino, de escolas particulares e do movimento negro organizado.

A atividade faz parte das ações de promoção da década Internacional dos Afrodescendentes - 2015/2024, com o tema: “Afrodescendentes: reconhecimento, justiça e desenvolvimento", instituída pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura - UNESCO. 

O Seminário tem o objetivo de fundamentar os desafios para o enfrentamento intolerância religiosa e a ausência de um sistema de atendimento e monitoramento para a garantia de um Estado Laico. 

Para se inscrever no Seminário, envie um e-mail para escolaolodum@uol.com.br com seu nome completo, instituição que trabalha, CPF, nome da mãe, data de nascimento e escolaridade até o dia 13 de novembro. Só serão aceitas inscrições com os dados completos solicitados. A atividade será certificada. 

Dispomos de 120 vagas, com inscrições gratuitas e somente por e-mail.
Se puder, venha de branco em um ato de paz e por respeito a liberdade religiosa.
Espero por você!!!
Mara Felipe
Coordenadora Pedagógica

Escola Olodum
Uma escola criativa
Rua das Laranjeiras, 30 Pelourinho 
Salvador - Bahia Cep: 40.026.230
Tel/Fax: 71 33228069
E-mail: escolaolodum@uol.com.br

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Mulheres, onde ainda estamos?, por Luciana Lóssio

Em março de 2014, mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, escrevi para a Folha um artigo intitulado “Mulheres, onde estamos?”, com o objetivo de demonstrar como a participação feminina na política brasileira ainda é tímida.

Passado mais de um ano, oportuno analisarmos se houve avanço, especialmente em tempos de “reforma política”. Todo dia é dia de refletirmos sobre o tema, mas o Outubro Rosa é sugestivo e nos leva naturalmente a lembrar das mulheres e de sua importância.
No ano de 1934, a primeira mulher brasileira a ocupar uma cadeira no Legislativo, a médica Carlota de Queirós, em seu discurso de posse ressaltou que lhe cabia “a honra, com a minha simples presença aqui, de deixar escrito um capítulo novo para a história do Brasil: o da colaboração feminina para a história do país”. Passados mais de 80 anos, nós mulheres ainda estamos lutando para que essa presença não seja meramente ilustrativa.
Muito embora a nossa Constituição Cidadã, ao tratar dos direitos e garantias fundamentais, tenha colocado as mulheres em posição de igualdade com os homens, é forçoso reconhecer que tal isonomia ainda não saiu do papel, especialmente em relação à participação feminina na política.
Em um país predominantemente machista, de raízes patriarcais, no qual o homem sempre ocupou postos de comando, os desafios das mulheres ainda são gigantescos.
A Reforma Eleitoral, sancionada e publicada no último dia 29/9, trouxe alguns poucos avanços. Normatiza, por exemplo, a propaganda institucional da Justiça Eleitoral para incentivar a participação feminina na política; aumenta o percentual mínimo de recursos do Fundo Partidário para a criação e manutenção de programas de promoção e difusão da participação política das mulheres, bem como aumenta a multa em caso de inobservância.
Ainda é pouco, muito pouco. É hora de avançarmos mais. A exemplo de outros países, busquemos a paridade de gênero e a reserva de cadeiras no Parlamento.
O tema da reserva de vagas está em discussão na proposta de emenda à Constituição nº 98/2015, já aprovado em dois turnos pelo Senado Federal e aguardando votação na Câmara dos Deputados.
A proposta defende que as cadeiras deverão ser reservadas para as mulheres, nas três legislaturas subsequentes à promulgação da emenda, na proporção de 10% para a primeira, 12% para a segunda e 16% para a terceira.
Ora, pode-se dizer que as mulheres já ocupam 16% das vagas no Senado e 9,9% na Câmara! Logo, indaga-se, essa alteração representa um avanço significativo? Significativo, não… mas avanço, sim!
As maiores democracias do mundo, como Alemanha e Reino Unido, possuem uma representação feminina na política de, respectivamente, 36,5%, e 29,4%, sendo que são os próprios partidos políticos que abrem as suas portas ao fixarem percentual mínimo de participação.
Já em relação à paridade, ainda é um sonho distante. Muito distante, mas possível, já que México, Equador, Guatemala, Bolívia, Costa Rica e Nicarágua possuem legislação que assegura a participação igualitária, impondo aos partidos que lancem o mesmo número de candidatos homens e mulheres para o Legislativo. E quando o cargo é majoritário, se o cabeça de chapa for homem, o vice deve necessariamente ser mulher, e vice-versa.
A luta é árdua, os avanços são lentos, mas a persistência feminina é colossal! O progresso da participação das mulheres na política é fundamental para o fortalecimento da democracia, já que a igualdade é um dos pilares do Estado democrático de Direito.
Luciana Lóssio, 41, é ministra do TSE – Tribunal Superior Eleitoral
Fonte: Pat. Galvão 

domingo, 25 de outubro de 2015

ONU examina discriminação de mulheres em Portugal e no Timor-Leste

O Comitê das Nações Unidas sobre Eliminação da Discriminação contra as Mulheres (Cedaw, na sigla em inglês) reúne-se em Genebra a partir de segunda-feira (26) para avaliar a situação em Portugal e no  Timor-Leste. De acordo com comunicado da ONU, a análise sobre Portugal será feita no dia 28 de outubro e a do Timor-Leste no dia 11 de novembro. As conclusões e as recomendações serão divulgadas ao final da sessão. A última avaliação sobre Portugal e o Timor-Leste foi feita em 2008 e 2009, respectivamente. O comitê vai promover reuniões informais e públicas para ouvir representantes de organizações não governamentais e de instituições nacionais de direitos humanos do país examinado. Reuniões fechadas estão previstas para analisar processos de reclamações e informações relativas a violações graves da convenção. Nesta 62.ª sessão do Cedaw, entre os dias 26 de outubro e 11 de novembro, também vão ser examinados os Emirados Árabes Unidos, a Eslovênia, Eslováquia, o Líbano, a Libéria, Madagáscar, o Malauí, a Rússia e o Uzbequistão. Todos os Estados avaliados apresentam nas próximas semanas um relatório tratando da implementação da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contras as Mulheres. O comitê é composto por 23 membros e é presidido pela advogada japonesa Yoko Hayashi. A Convenção sobre a Eliminação de todas as formas de Discriminação contra as Mulheres foi adotada em 1979, entrou em vigor em 1981 e hoje tem 189 Estados signatários. Ao ratificar a Convenção, os Estados comprometem-se a incluir na sua Constituição ou legislação o princípio da igualdade entre homens e mulheres e a adotar medidas legislativas e outras, incluindo sanções, com o objetivo de proibir qualquer tipo de discriminação contra as mulheres.
Fontes: EBC / ONU 

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

IV Pensando Áfricas e suas Diásporas



Estão abertas as inscrições para os minicursos!

Para visualizar o Caderno de Resumos e Cronograma de Apresentações dos GTs, acesse aqui

http://pensandoafricasufop.wix.com/pensandoafricasufop



quinta-feira, 22 de outubro de 2015

ESCRITORA E ATRIZ ELISA LUCINDA É DESTAQUE NA ABERTURA DA FELITA 2015

Poetisa e atriz Elisa Lucinda fará a palestra sobre o tema que norteia a segunda edição da FELITA Foto Divulgação
Poetisa e atriz Elisa Lucinda 
Com o tema “A Literatura Nossa de Cada Dia”, a poetisa, jornalista, cantora e atriz Elisa Lucinda participou da palestra de abertura da segunda edição da Feira Literária de Itabuna (FELITA). O evento é uma realização da Prefeitura de Itabuna, por meio da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (FICC),  aberta  oficialmente nesta quarta-feira, 21, no Centro de Cultura Adonias Filho, onde prossegue até domingo, com acesso gratuito. Além de ser artista reconhecido nacionalmente pelos seus inúmeros espetáculos e recitais em empresas, teatros e escolas, Elisa Lucinda é admirada pela marca inconfundível de seu trabalho como atriz de telenovelas de grande sucesso .
Incluída no calendário cultural da cidade, a FELITA 2015 tem como propósito provocar o intercâmbio literário entre escritores regionais com os grandes ícones da literatura no Brasil e do mundo. Também assume a missão de incentivar a prática da leitura entre pessoas de todas as idades, colocando o público leitor em contato direto com os escritores.
Os organizadores propõem um olhar diferenciado sobre a literatura em suas formas mais diversificadas, numa convergência da mesma para as demais linguagens artísticas, tais como a música e o teatro. É grande a expectativa do presidente da FICC, Roberto José da Silva, quanto à palestra de abertura e a participação das pessoas na primeira noite da FELITA.
“Tivemos todo um cuidado em preparar uma FELITA bem mais bonita e bem mais articulada do que a do ano passado. Dessa vez pautando as atrações, convidados e escritores naquilo que foi sugerido por frequentadores da feira em 2014”, afirma Roberto José. O presidente da FICC renovou o convite às pessoas, incluindo estudantes e o público em geral, para que prestigiem o evento cultural que oferece oportunidade de lazer e enriquecimento cultural.

Além de palestras, mesas-redondas, conversas com escritores e debates, o público também poderá adquirir livros de prosa e poesia nos estantes montados no Centro Cultural Adonias Filho. Na quinta-feira, a literatura negra no Brasil será destaque com uma palestra sobre a influência da religiosidade de matriz africana na literatura brasileira, seguido de um debate sobre memória e identidade, com Ana Gonçalves e Nelson Maca.
Na sexta-feira, o dia será dedicado à literatura de cordel com uma palestra do estudioso Bráulio Tavares, seguido de um debate com a coordenadora do Proler, professora Glória de Fátima Lima dos Santos, e do escritor e cordelista Jotacê Freitas, que pela manhã vai ministrar uma oficina de escrita criativa na área de literatura de cordel.
A literatura de ficção, em especial do escritor grapiúna Adonias Filho será destaque no quarto dia. O professor Lourival Piligra fará uma palestra cujo tema é: “Escritor criador de mitos”, seguido de um debate sobre o trágico na obra de Adonias Filho, cujos convidados são os escritores Jorge de Souza Araújo, Aleilton Fonseca e o filósofo Sávio Rosa. Em todos os dias haverá programação infantil, a partir das 9 horas, com oficinas de conto, literatura de cordel, poesia e oralidade e xilogravura.
Fonte: FICC

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Atriz Chica Xavier Ganha Biografia

chica3
Torço de seda, pano da costa e saia engomada toda baiana tem. Mas um tabuleiro com 57 anos de carreira artística nem a personagem cantada na letra de Carmem Miranda tem. Só mesmo ela, a moradora de Sepetiba, nascida em Salvador, que agora dispõe de uma biografia para servir aos fãs.

Nas 178 páginas do livro “Chica Xavier – Mãe do Brasil”, a escritora Teresa Montero registra a trajetória da atriz global na TV, no cinema e no teatro, onde estreou na carreira. Era dia 25 de setembro de 1956 quando Chica pisou no palco do Teatro Municipal como a Dama Negra, em Orfeu da Conceição.
- Vim para o Rio para estudar mesmo a arte de fazer arte – relembra a atriz.
Para Teresa, a viagem até aqui é um dos momentos mais marcantes.
- Imagina deixar a mãe em busca de um sonho, o de ser atriz, e realizá-lo? E isso nos anos 50 – afirma.
Tempo de casada é o mesmo de carreira
Na busca pelo amor de sua vida, o teatro, Chica Xavier descobriu um outro no coração. E que atende pelo nome de Clementino Kelé, também ator e marido. O então amigo da atriz, em Salvador, virou namorado quando soube da viagem dela ao Rio.
Ele não pensou duas vezes: apareceu de surpresa no ônibus, quando ela fazia o primeiro trajeto Salvador-Rio, para acompanhá-la. De mala e cuia, é claro.
- E o mais interessante é que foi o meu primeiro namorado. Por ele, eu sou capaz de qualquer loucura. Até fiquei inimiga de um colega que agiu com falsidade com Kelé.
Com o tempo de casamento, que é o mesmo de carreira, vieram os quatro filhos (um deles é o ator e diretor Miguel Falabella, o amigo considerado filho). E depois outros, que nasceram da relação espiritual de Chica, mãe de santo na Irmandade do Cercado do Boiadeiro, o terreiro que fundou há aproximadamente 34 anos.
chica2Para acolher todos os filhos de santo, Chica precisava de uma casa. E Exú, o mensageiro dos orixás, também. O apartamento no Humaitá, onde a atriz morava, não dava conta.
- Não se pode ter assentamento (representação) de Exú acima da cabeça das pessoas. Ele deve ficar sempre no chão – revela.
É por isso que Exú foi o primeiro a entrar (e morar) no terreno de Sepetiba, onde Chica vive com Kelé e alguns filhos. E onde já dirigiu muita sessão de umbanda e consultas.
Os encontros espirituais costumam acontecer uma vez por mês e são sempre restritos a amigos e familiares. Mas, atualmente, também são comandados por Luana Xavier, neta de Chica, já escolhida como sua sucessora pelo caboclo Boiadeiro, mentor da casa.
- Em algumas cenas que fiz, ligadas à religião, as pessoas ficaram arrepiadas no estúdio – lembra.
Foi o caso do teste para viver a mãe de santo Magé Bassã, na minissérie “Tenda dos Milagres” (1985).
- Cantei a cantiga de Exú durante o teste. Consegui o papel – festeja ela, até então vista como muito nova para a personagem.
Estreia na TV foi em ‘A Cabana do Pai Tomás’
chica4Magé Bassã foi um dos marcos na carreira da atriz, que viveu mãe Setembrina em “Duas Caras” (2007), Inácia em “Renascer” (1993) e Nhá Rita em “Esperança” (2002), além da Bá, de “Sinhá Moça”. São mais de 50 personagens em novelas como “A Cabana do Pai Tomás” (1969), onde estreou.
— A partir de “Tenda dos Milagres”, ela começou a ser chamada para papéis ligados às religiões de matrizes africanas — observa Bela D’Oxóssi, uma das filhas.
chica5E aí é que Chica não tirava mesmo da orelha os brincos coral, usados por mães de santo de Iansã, a exemplo dela.

— Nenhuma figurinista me tira esse brinco. Algumas até falaram: bota esse aqui. Mas digo que de jeito nenhum. Não tiro nem para dormir — avisa.
E assim, respirando o ar puro da chácara, vai vivendo, rezando antes de dormir (‘sou católica, ela diz’) e até cozinhando.
chica6— Baiana que não sabe cozinhar não arranja marido. Acho que o bife na manteiga com farofa conquistou o meu — brinca.




Fonte e fotos : Mulhernegraecia

Mulheres Protestam Contra Uso de Véu Islâmico no Canadá

Montreal - Algumas mulheres apresentaram-se nesta terça-feira em diferentes locais de votação com o rosto coberto pelo niqab ou com um véu para protestar contra a recente autorização às mulheres para usar o niqab em cerimónias de outorga da cidadania canadiana.


Em Saint-Hubert, nos subúrbios do sul de Montreal, Catherine Leclerc chega com a cabeça e a parte superior do corpo totalmente cobertas por um véu integral (niqab) preto, para exercer os seus deveres cívicos na seção eleitoral. 
"Este símbolo do niqab não é um símbolo religioso, é um símbolo político, um símbolo de opressão da mulher que não deveria ser tolerado numa sociedade igualitária", declarou Leclerc a saída do local.
Assim como elas, várias quebequenses votaram nestas eleições legislativas canadiana com um saco de batatas fritas na cabeça ou outros recursos para esconder o rosto. No mês passado, a questão do uso do niqab agitou a campanha eleitoral quando a justiça autorizou uma mulher de origem paquistanesa de Toronto a usar o véu integral para prestar juramento e obter a cidadania canadiana. O governo conservador prometeu que, caso vença nas eleições, legislaria para obrigar as candidatas à cidadania a prestar juramento com a cabeça descoberta. O social-democrata Thomas Mulcair acusou o chefe de governo de querer dividir a sociedade. Justin Trudeau, candidato do Partido Liberal, afirmou que não cabe ao estado julgar como "uma mulher deve se vestir" e citou a Carta de Direitos Humanos e Liberdades do Canadá. Ao usar o niqab na hora de votar, "meu propósito é denunciar a desigualdade entre homens e mulheres, que às vezes é tolerada no Canadá", afirmou Catherine Leclerc.
Para Martine, outra eleitora trajando o véu, "as mulheres lutaram no Québec para ser livres". Ao usarem o niqab, essas mulheres demonstram que "são submissas e isso vai de encontro aos nossos valores", declarou.

Fonte: Angop

Para as Mulheres Avançar é Preciso que As Leis Tornem Prática

Segundo o relatório Mulheres do Mundo 2015,  a vida das mulheres melhorou em vários setores nos últimos 20 anos, mas muitas continuam sendo vítimas de violência e de outras injustiças.
O documento lançado esta terça-feira pelas Nações Unidas traz exemplos de avanços e de desigualdades. A taxa de mortalidade materna caiu 45% entre 1990 e 2013.

Educação

O total de meninas matriculadas no ensino primário é praticamente universal. Mas entre 58 milhões de crianças fora da escola, mais da metade são meninas e a maioria vive na África Subsaariana e no sul da Ásia. Segundo o relatório, mais de um terço da mulheres do mundo já sofreram violência física ou sexual em algum momento da vida. Mas cerca de 60% das mulheres vítimas de violência não reportam o caso nem buscam ajuda.
Mercado de Trabalho
O total de casamentos infantis diminuiu apenas 5% entre 1995 e 2010, sendo uma prática comum em países do sul da Ásia e da África Subsaariana. Sobre carreiras, o relatório informa que apenas 50% das mulheres com idade apropriada estão trabalhando, e no caso dos homens, o índice é de 77%. O salário das mulheres equivale entre 70% a 90% do que ganham os homens e elas passam em média três horas a mais por dia cuidando de tarefas domésticas ou da família.

Brasil

Na maior parte do mundo, as mulheres continuam tendo uma voz desigual nas esferas pública e privada. Apenas 19 países têm uma mulher como presidente ou primeira-ministra, incluindo o Brasil. Nos parlamentos, a média de representação feminina é de 22%. O relatório Mulheres do Mundo é preparado a cada cinco anos pela Divisão de Estatísticas das Nações Unidas. O secretário-geral destaca que alcançar a igualdade de gênero é essencial, como definido nos novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.
Ban Ki-moon afirma que sem direitos iguais na lei e na prática, não será possível cumprir a Agenda 2030.
Fonte e foto: Rádio ONU

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Comissão Aprova Projeto que Beneficia Mulheres Marisqueiras

A Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia aprovou projeto (PL 1710/15) da deputada Tia Eron (PRB-BA) que define responsabilidades do poder público no apoio ao desenvolvimento das atividades desenvolvidas pelas mulheres marisqueiras. A proposta define a profissional como aquela que realiza artesanalmente a atividade em manguezais de maneira contínua, autônoma ou em regime de economia familiar, para sustento próprio ou comercialização de parte da produção.
O relator, deputado Cacá Leão (PP-BA), recomendou a aprovação do projeto. “A atuação das marisqueiras é importante para a preservação dos manguezais de onde extraem os moluscos, uma vez que essas trabalhadoras demonstram grande conhecimento sobre as espécies existentes na área de captura e intuitivamente praticam manejo para a conservação dos mariscos, ao coletarem preferencialmente os maiores indivíduos”, defendeu Leão.
O texto estabelece que cabe ao Poder Público estimular a criação de cooperativas ou associações de marisqueiras, com vistas a estimular, por intermédio da participação coletiva, o desenvolvimento da atividade. Em caso de desastres ambientais em áreas de manguezais, terão preferência na ordem de pagamento de indenização as marisqueiras que ficaram impossibilitadas de exercer sua atividade.
Mulher marisqueira do Piaui 
Pela proposta, compete ao poder público, ainda, oferecer crédito às atividades de marisqueiras, priorizar construção de creches em regiões onde estabelecem essa atividade, garantir a saúde das trabalhadoras e oferecer capacitação de mão de obra.
Tramitação
O projeto, que tramita de forma conclusiva, será analisado ainda pelas comissões de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural; de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

ÍNTEGRA DA PROPOSTA:

Fonte e texto: Camara Dep.
Foto: Internet



sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Seminário " A Verdade da Escravidão Negra e a Questão Quilombola em Minas Gerais"




PROGRAMAÇÃO

22 de outubro (quinta-feira)

18h30 - Abertura Solene
Composição da Mesa:
Diretoria da OAB/MG
Membros da CEVENB - OAB/MG
Autoridades Convidadas
Palestrantes
Movimento Social Organizado

19h30 - Palestra de Abertura

A Verdade da Escravidão Negra e a Questão Quilombola em Minas Gerais: O Caminho para Efetivação da Dignidade Humana
Coordenador: Deputado Estadual Cristiano Tadeu da Silveira Presidente da CDH - ALEMG
Participantes: Dr. Humberto Adami Santos Junior
   Dr. Tarcísio José Martins
                        Deputado Estadual Prof. Neivaldo de Lima Virgilio

21h00 - Coquetel
23 de outubro (sexta-feira)

Painéis Temáticos

09h00 - Painel 1

Os Crimes da Escravidão Negra no Brasil e suas Consequências
Coordenadora: Prof. Elzimar Domingues CEVENB - OAB/MG Uberlândia
Participantes: Dr. Wilson Prudente
      Dr. Cezar Britto
    Prof. Randolpho Radsack Corrêa

10h30 - Painel 2

Quilombos Urbanos e Rurais: Titulação e Acessibilidade a Políticas Públicas, Indenizações e Reparações
Coordenador: Paulo Sérgio da Silva CEVENB - OAB/MG
Participantes: Dr. Willian Santos
                         Profa. Célia Gonçalves de Souza (Makota Celinha)
   Prof. Dr. Márcio Achtschin Santos
   José Antonio Ventura


12h00 - Intervalo para Almoço

13h00 - Painel 3
Preservação da Memória e de Bens Materiais e Imateriais
Coordenador: Alex da Silva Martins CEVENB - OAB/MG Barbacena
Participantes: Dra. Maira Neiva Gomes
                         Prof. Dr. Jorge Prata de Sousa
   Prof. Roberto Mauro Ferreira

14h30 - Painel 4
Aplicação da Lei 10.639/2003 no Combate ao Racismo e Intolerância Religiosa
Coordenador: Angelo José Sátyro de Souza CEVENB - OAB/MG Barbacena
Participantes: Prof. Dr. José Eustáquio de Brito
   Vereador Gilson Reis
   Dr. Antonio Gomes da Costa Neto
   Prof. Jançana Lima Bouças

14h30 - Painel 5
Perspectivas da Comissão Estadual da Verdade da Escravidão Negra em Minas Gerais, Linhas de Ação e Relatório Parcial
Coordenador: Dr. Antonio Fabrício de Matos Gonçalves OAB/MG
Participantes: Profa. Dra. Beatriz Bento de Souza CEVENB - OAB/MG - UEMG Leopoldina
   Dr. Daniel Dias de Moura CEVENB - OAB/MG
   Dr. Gleyson de Sá Leopoldino CEVENB - OAB/MG
   Dr. Gilberto da Silva Pereira CEVENB - OAB/MG


17h00 - Agradecimentos e Encerramento