sexta-feira, 10 de março de 2017

Mulheres Foram as Ruas em Todo Brasil

São Paulo 

Milhares de pessoas participaram nesta quarta-feira, 8, de atos contra o machismo, por igualdade de gênero e por causas como a descriminalização do aborto em todos os  Estados e em Brasília, marcando o Dia Internacional da Mulher. A ação foi inspirada em marchas pelo mundo.

Convocada praticamente via web, a manifestação no Centro do Rio, por exemplo, foi promovida por 60 entidades, fazendo coro a Greve Internacional das Mulheres, iniciativa adotada em mais de 50 países por direitos femininos.

http://monicaaguiarsouza.blogspot.com.br/2017/02/dia-da-mulher-promete-ser-o-dia-sem.html

No Rio, organizadores e policiais presentes estimaram entre 8 mil e 15 mil pessoas. Ali, um grupo se reuniu ao redor da Igreja da Candelária, na Avenida Presidente Vargas, e seguiu pela Rio Branco até a Praça 15.
Houve encenações teatrais e apresentação de uma bateria composta por mulheres. Ao final, cada trecho de um manifesto foi lido por uma mulher. O texto cobrou igualdade de direitos e fim do preconceito. “Hoje é um dia importante, mas nossa luta é todo dia. Precisamos provar que não somos só peito e bunda. Pensamos, trabalhamos e temos direitos”, afirmou Mara Silveira, de 23 anos, estudante de Medicina na Universidade do Estado do Rio (Uerj).
A maioria dos participantes era de mulheres, que fizeram discursos e gritaram em coro palavras de ordem em favor da descriminalização do aborto, por outros direitos e contra o machismo. “Nem recatada nem do lar / A mulherada tá na rua pra lutar” foi um dos coros.
São Paulo 

 Em São Paulo, dois atos encerrados no centro reuniram 30 mil pessoas, segundo os organizadores.

Coletivos feministas interditaram trechos da Avenida Paulista e vias na Sé. A publicitária Vânia Feigol, de 31 anos, disse que a razão de as mulheres estarem na rua é a necessidade de respeito.

“Viemos aqui para unir forças. É preciso tanto conseguir respeito para andar na rua sem medo de assédio quanto para ter salários iguais e as mesmas oportunidades”, afirmou.

Minas Gerais
Pelo País. As marchas ocorreram em várias cidades durante o dia. Foi a forma principal de protesto adotada em Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul,  Minas Gerais, Paraíba, Pará, Rio Grande do Sul, Roraima e Tocantins. Brasília e Pernambuco tiveram atos planejados em espaços públicos, com direito a algumas performances.




RECIFE 

As pernambucanas marcharam pelas ruas do Recife, em apoio à greve decretada em vários países por direitos iguais, contra a violência, o racismo, a reforma da Previdência e outras questões que atingem diretamente a população feminina.

A luta contra o racismo também mobilizou as participantes da manifestação. Algumas faixas traziam mensagens como: “Em  Pernambuco, 54% das mortes são de negras” e “A violência obstétrica mata mais negras


Atualização 11/03/17


Fontes: Ag.Pat.Galvão

Nenhum comentário: