quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Racismo Marca final de Mandato da Primeira Dama do Estados Unidos " Michelle Obama"

Por Mônica Aguiar 

Uma publicação racista no Facebook a respeito da primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, ganhou redes sociais e a
 mídia no mundo inteiro.  

A primeira-dama dos Estados Unidos, Michele Obama, sofreu preconceito racial no Facebook, depois da eleição de Donald Trump. Uma mulher identificada como Pamela Ramsey Taylor comemorou a eleição do republicano Donald Trump à presidência fazendo ofensas racistas a Michele que é ainda a primeira dama.

“Vai ser renovador ter uma primeira-dama classuda, bonita e digna na Casa Branca. Estou cansada de ver uma macaca de salto”, disse Pamela.

Sem se incomodar com o teor racista de sua crítica. A prefeita da cidade de Clay, Beverly Whaling, também polemizou ao comentar na publicação e ignorar o preconceito:

“Você fez o meu dia, Pam”.

Tal publicação acabou resultando em uma campanha pela demissão da autora. Pamela, foi afastada da Corporação de Desenvolvimento do condado de Clay e seu caso será analisado pelo conselho municipal. Internautas também estão se mobilizando para a prefeita deixar o cargo.

Clay tem uma população de 491 pessoas e, de acordo com o Censo de 2010, não há negros na cidade. Na região do Condado de Clay, como um todo, mais de 98% de seus habitantes são brancos.

Apesar da população da região ser pequena, a polêmica publicação no Facebook se espalhou pelos Estados Unidos e na imprensa internacional, criando grande comoção e  várias manifestações de repudio contra o racismo, bem como a elaboração de um abaixo-assinado  já com 85 mil assinaturas pedindo que Taylor seja demitida e Whaling renuncie ao cargo.

Os jornais The Washington Post New York Daily News relataram que Taylor já foi retirada do cargo na segunda-feira, mas não há confirmação de que ela foi demitida.
O Escritório de Desenvolvimento da região do Condado de Clay, que Taylor gerenciava, recebe verbas dos governos estadual e federal e presta serviços para moradores idosos e de baixa renda da região.

Taylor concedeu  entrevista ao canal local WSAZ, o primeiro a denunciar a notícia sobre a publicação racista no Facebook. Na entrevista, afirma que suas palavras por mais que tivessem interpretações de racismo, não tinha intenção de ser. Afirmando que apenas estava dando sua opinião sobre os atrativos de uma pessoa e não a cor da pele.

Owens Brown, diretor do escritório da Virgínia Ocidental da organização National Association for the Advancement of Colored People – que luta contra o racismo – comentou que
“é lamentável que as pessoas ainda tenham este tom racista”.

A presidente do Partido Democrata em Virgínia Ocidental, Belinda Biafore, divulgou um pedido de desculpas a Michelle Obama “em nome dos meus companheiros, alpinistas”, em uma referência ao apelido dos moradores do Estado.

“A Virgínia Ocidental realmente é melhor do que isso. Nós do Partido Democrata da Virgínia Ocidental vamos continuar lutando exatamente contra estes ideais radicais, odiosos e racistas”, escreveu Biafore na declaração.


Fontes: EBC/ catracalivre/Terra/ G1/brasilpost
Fotos: Internet

Um comentário:

adelina disse...

É LAMENTAVEL QUE TENHAMOS OPINIÃO COMO ESTA, MAIS CLASSUDA DO QUE MICHELE OBAMA DUVIDO QUE TENHAMOS OUTRA IGUAL A ELA TÃO ESPECIAL E INTELIGENTE.