segunda-feira, 6 de junho de 2016

Desembargadora Negra Luislinda Valois Assume Secretaria de Promoção da Igualdade Racial

por Mônica Aguiar 

Resultado de imagem para Desembargadora Negra Luislinda ValoisA desembargadora aposentada e escritora  Luislinda Valois,   foi nomeada sexta,  dia (03), para comandar a  secretaria de promoção da igualdade racial,  ministério no governo da presidente  Dilma Rousseff,   hoje reduzida apenas  a uma secretaria no segundo escalão, com sua estrutura subordina ao Ministério da  Justiça .

O que tudo indica , para não fugir a regra imposta, o presidente interino Michel Temer, esta nomeando para maioria das  pastas específicas pessoas ligadas a justiça, pois Luislinda é considerada a primeira negra a se tornar juíza no país, em 1984,  magistrada, foi autora da primeira sentença de condenação por racismo no Brasil, em 1993, e foi condecorada com o título de embaixadora da paz da ONU (Organização das Nações Unidas) em 2012.

A também nomeada secretária de diretos humanos  Flávia Piovesan é jurista, tornou-se procuradora do Estado de São Paulo em 1991. É conselheira da seção paulista da Ordem dos advogados (2016-2018). Conhecida por sua obra jurídica voltada aos direitos humanos e ao direito internacional.

A SEPPIR,  muito além de ter sido um ministério no primeiro escalão, promovia sim, ações estratégicas que dialogava com o parlamento, entes do governo e setores da economia, fomentando politicas de ações afirmativas com equidade, através da gestão pública para negros e negras, retificando as desigualdades raciais contemporâneas na sociedade, acumuladas ao longo de anos. Mas agora sem estrutura própria e no segundo escalão, fica difícil aceitar que nada mudará, pois já mudou e muito. Pois nada impede de considerar as responsabilidades das ações quando estão  inseridas dentro de uma estrutura politica, agora reduzidas a justiça. Tal feito contraria todos os avanços e marcos de concepção no modo de programar e implementar políticas públicas para a população negra, muitos  concebidos por mãos de vários setores do movimento negro brasileiro, independente da ideologia e escolha partidária.


Nenhum comentário: