quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Viola Davis é Primeira Mulher Negra a Vencer Emmy de Melhor Atriz Dramática. Reafirma em seu Discurso a Falta de Oportunidades para Mulheres Negras

Resultado de imagem para Viola Davis é primeira negra a vencer Emmy de melhor atriz dramática
Por Vanessa Scalei

Em seu discurso na cerimônia do Emmy, Viola Davis disse que mulheres negras não podem ser premiadas por “papéis que simplesmente não existem”

Viola Davis deu visibilidade a uma questão que cerca o mercado televisivo desde sempre: a falta de oportunidade para mulheres negras. Em um discurso emocionante, na noite do último domingo, após se tornar a primeira negra a ganhar o Emmy de melhor atriz em série dramática em 67 anos, Viola citou a ativista negra Harriet Tubman (1822 — 1913), conhecida como Black Mose, para dizer o que precisava ser dito:
— “Em meus sonhos e visões, eu via uma linha, e do outro lado da linha estavam campos verdes e floridos e lindas e belas mulheres brancas, que estendiam os braços para mim ao longo da linha, mas eu não poderia alcançá-las”. Deixem-me dizer uma coisa: a única coisa que separa as mulheres negras qualquer outra pessoa é oportunidade. 
Você não pode ganhar um Emmy por papéis que simplesmente não existem.
 O mundo ouviu e aplaudiu as palavras da atriz, premiada por sua interpretação como a professora e advogada Annalise Keating da série How To Get Away With Murder (HTGAWM) — cuja segunda temporada estreia  nos EUA. Relatório do Mashable, site de tecnologia e entretenimento, aponta que o discurso de Viola foi mais comentado no Facebook do que o principal prêmio do Emmy — de melhor série dramática para Game of Thrones. Muito além dos elogios, agora o problema está posto para ser discutido.
— Este não é o primeiro prêmio recebido por Viola. Ainda este ano, recebeu o SAG Awards pelo mesmo papel, e seu discurso foi tão impactante quanto o do Emmy. Vitórias como a de Viola sem dúvida representam um marco na história da indústria televisiva dos EUA, não apenas para as atrizes negras, mas para toda e qualquer minoria que ainda não é justamente representada, especialmente no primetime (horário nobre) da TV aberta americana — afirma Sheron Neves, professora da ESPM e da Unisinos, especializada em storytelling e transmídia.
Quais são as atrizes negras protagonistas de séries americanas atualmente? Além de Viola, há Kerry Washington (Scandal), Nicole Beharie (Sleep Hollow) e Taraji P. Henson (Empire) — que disputou o Emmy com Viola. Ainda é muito pouco. Recente pesquisa feita pelo Center for the Study of Women in Television and Film aponta que a diversidade de raças na TV dos Estados Unidos está a milhas de distância do ideal: 78% das personagens femininas no primetime são caucasianas, enquanto apenas 13% são negras e 4% são latinas. Outros números reforçam a reclamação de Viola. O Relatório Anual da Diversidade em Hollywood de 2015 mostra que, no biênio 2012-2013, apenas 6,5% das atrações de TV foram protagonizadas por não brancos. Ainda assim, há avanços.
— Como tudo em cultura e entretenimento, a premiação a Viola não é um elemento isolado. Tem que ser entendido no contexto de um mercado que, este ano, está colhendo sucessos de bilheteria com filmes com temática e elenco negros (Straight Out of Compton, The Perfect Guy), e, na TV, elencos multi-raciais estão tornando-se a norma — Fear the Walking Dead é predominantemente latino — e séries como Power, Empire e Ballers, majoritariamente negras, são um imenso sucesso — contextualiza Ana Maria Bahiana, jornalista brasileira e membro da Associação de Correspondentes Estrangeiros de Hollywood, responsável pela premiação anual do Globo de Ouro.
O mercado ainda é feito majoritariamente para e por homens brancos jovens. Porém, toda a vez que isso é contra-atacado por números substanciais de audiência ou bilheteria, há uma erosão importante, segundo Ana Maria:
— Uma das produtoras de TV mais poderosas, hoje, é Shonda Rhimes, mulher e negra, criadora de Grey’s Anatomy, HTGAWM e Scandal. Creio que o caminho está aberto, e é irreversível.
Tão aberto que, além de Viola, o Emmy ainda premiou premiou outras duas atrizes negras. Regina King, como coadjuvante de minissérie por American Crime, e Uzo Aduba, coadjuvante em drama por Orange Is the New Black.
— Penso que o real impacto da vitória de Viola é bem mais amplo. Há um motivo para celebrar que vai além da questão racial: trata-se da vitória dos personagens femininos tridimensionais, bem construídos, sexualmente determinadas e profissionalmente ferozes, independente de cultura, raça ou idade. Neste aspecto, a TV vem avançando nos últimos anos, mesmo que lentamente — aponta Sheron.



Fonte: ZH 

Nenhum comentário: