terça-feira, 4 de agosto de 2015

MULHERES NEGRAS DE MINAS PERDE ACENTO NO CONSELHO ESTADUAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL

Por Mônica Aguiar 

Garantir representação da mulher negra nos Conselhos Estaduais da Mulher é saúde é uma das metas, em Minas, do Fórum Estadual de Mulheres Negras 

Foi no dia 31 de julho, dia internacional de luta das mulheres africanas, no SINPRO/MG , que  o Fórum Estadual de Mulheres Negras de Minas Gerais reuniu várias lideranças,  de várias regiões do estado,  mulheres negras  com objetivo de aprovar o seu Manifesto,  debater sobre as políticas das Mulheres negras e realizar a primeira homenagem na  modalidade  "Destaque Mulher Negra".

O Seminário contou com a presença da Subsecretária de Mulher no Estado Áurea Carolina e de Iara Viana da Secretaria Estadual da Educação, com as Coordenadoras de Promoção da Igualdade Racial de Montes Claros Vera Nice e Rosagela Barbosa de Belo Horizonte.

Já a leitura do Manifesto foi realizada pela Dicota Djanganga da Direção executiva da CEN ( Coordenação de Entidades Negras MG) e entregue a representantes Governamentais presente.  
 O evento reuniu palestrantes com visões e experiências diversas sobre a mulher negra no estado  " História e vidas futura " foi o tema central.

Em um painel que contou com as presenças da Dra. Beatriz Coordenadora da UEMG (Leopoldina), Dra. Joana Presidenta da Comissão da Escravidão (Uberlândia) e a sub Secretária de Estado Áurea debateram sobre as desigualdades raciais, papel da mulher negra, sobre a Comissão da Verdade da Escravidão Negra e políticas públicas. 

 Como sempre fizemos em nossa história, devemos promover o Estado Democrático de Direito e a justiça social. E foi atenta a essa realidade de desigualdade e discriminação que, provocados pela sociedade civil organizada foi criada  a Comissão Nacional da Verdade da Escravidão Negra no Brasil. Afirma Dra Beatriz. 

 Garantir representação da mulher negra nos Conselhos Estaduais da Mulher é  saúde  é uma das metas, em Minas , do Fórum Estadual de Mulheres Negras . 

De acordo com a direção do Centro de Referência de Cultura da Mulher Negra de Minas Gerais , já haviam conquistado acento para a mulher negra no Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial, dentro da LEI e do seu Regimento interno, resolução  N.º 021/2011, de31 de maio de 2011, mas não se sabe por que tal conquista foi retirada pela recém-criada Sub secretaria de Promoção da Igualdade Racial. De acordo com as dirigentes,   no regimento interno estabelecia a presença da Mulher Negra, não somente da Mulher como foi publicado recentemente.

Será agendada uma reunião com a Frente Estadual de Promoção da Igualdade Racial da Assembleia Legislativa, a comissão de Direitos Humanos, o Secretário Nilmário Miranda e a Subsecretaria de Mulher presente, para tratar do assunto. 

O que ja foi conquistado não se mexe, e que as conversas já apresentadas ao governo sejam garantidas. Afirma Diregintes  do Fórum
Solicita que seja mantido a representação nos conselho do mesmo tamanho do percentual populacional de mulheres negras no Estado , ou na pior da hipótese 30% de mulheres negras . Afirma Vera Nice Montes Claros.

O Fórum deliberou várias agendas com governo em Minas Gerais. O seu manifesto além das reivindicações traz várias demandadas em prol Marcha das mulheres negras.  

Nenhum comentário: