segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Etiene Medeiros, primeira mulher no país a ganhar uma medalha de ouro em um Mundial de piscina da FINA

 Etiene Medeiros ganhou a medalha de ouro com recorde mundial nos 50m costas (25s67) e se tornou a primeira brasileira a ser recordista mundial e campeã num Mundial de Natação da FINA. Antes dela, apenas as maratonistas aquáticas Ana Marcela Cunha e Poliana Okimoto tinham um ouro mundial na carreira. 
Na final dos 50m costas, a brasileira venceu a super recordista mundial, a húngara Katinka Hosszu (25s96) e a australiana Emily Seebohm (25s67).
Etiene é fruto de muito trabalho. A pernambucana de 23 anos vem se destacando desde os 17, quando foi vice-campeã nos 50m costas do Mundial Júnior da Fina, na cidade de Monterrey, em 2008. No entanto há dois anos mudou radicalmente sua vida de atleta e isto coincidiu com a grande reformulação que a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos fez na estratégia para tratar os gêneros na natação. O superintendente técnico, Ricardo de Moura, com a aprovação do presidente da entidade, Coaracy Nunes Filho, colocou sob sua supervisão mais dois coordenadores: Alberto Silva, para tratar a natação masculina e Fernando Vanzela, para cuidar da natação feminina. A medida se mostrou um sucesso, pois ela saiu do 10º lugar no Mundial em Piscina Curta de Istambul em 2012 para o ouro em Doha.
– Mudei minha vida toda. Trabalhei duro e muito focada. Hoje sabia que qualquer uma que ganhasse a prova poderia bater o recorde mundial. Não pensei no recorde. Pensei em bater na frente, em ganhar. Pensei em todas as vezes que caí na água aqui e em tudo o que treinei. Vejo a estrutura da natação brasileira para o feminino completamente diferente e muito boa. Mudanças não se fazem em um ou dois anos. Isso é fruto de um processo do qual um monte de gente fez parte – disse.
A natação brasileira escreveu uma nova página. Esse Mundial é histórico e já se tornou um dos mais importantes não só para a natação, mas para o esporte do país como um todo. Pode pesquisar, qual o esporte que tem um medalhista de ouro em cinco provas num mesmo Mundial, como o França? E a Etiene, que estabeleceu um novo parâmetro também não só pra natação feminina, mas para o esporte feminino no país. Pela primeira vez vi a equipe com desejo real de vencer, com a atitude de campeã. No revezamento os caras queriam o ouro e me deixaram em condições pra isso. Então vi que não podia decepcionar. Sem dúvida foi uma das provas mais emocionantes que eu já nadei. Eu sei que as competições tem pesos e “glamour” diferentes, mas essa aqui foi sim muito importante porque estávamos em pé de igualdade com todas as principais equipes. Também faltavam alguns atletas de ponta no nosso time como o Thiago (Pereira), o Bruno (Fratus) e o Leo (Leonardo de Deus) por exemplo. As outras equipes também vieram com vários de seus campeões olímpicos e outros faltaram, isso é normal. Estou feliz por ver que o Brasil cresceu e evoluiu como time, que todos são hoje muito profissionais, sabem como agir e o que tem que fazer. O resultado a gente está vendo aqui: Brasil campeão geral – desabafou.
– Eu hoje tive muito motivos para ficar feliz. Saio 100 por cento contente com o meu desempenho, todas as minhas metas foram atingidas e agora já vamos voltar pensando no Mundial em Piscina longa do ano que vem. A natação está num ótimo momento no Brasil e eu também estou. Sinto que não estava preparado antes, mas agora estou e as coisas aconteceram. Só tenho a agradecer especialmente a Deus por tudo o que aconteceu aqui. Fiquei feliz também pela prova do Cesar de 100m livre. Ele venceu não porque o adversário cansou ou errou. Ele venceu pela superação pessoal dele, pelo esforço dele e isso é bom demais de ver – disse
O Brasil ganhou o 12º Mundial em Piscina Curta com uma bagagem preciosa: sete medalhas de ouro, uma de prata, duas de bronze, dois recordes mundiais, dois recordes de campeonato, e 22 novas marcas brasileiras e sul-americanas. Como se não bastasse, Felipe França saiu como o maior medalhista de ouro da competição com cinco vitórias, e a natação feminina vê nascer uma nova referência, Etiene Medeiros, primeira mulher no país a ganhar uma medalha de ouro em um Mundial de piscina da FINA. As nadadoras foram responsáveis por 13 das marcas continentais superadas na competição....


Nenhum comentário: