quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Fórum de mulheres negras de Minas Gerais cobra ações efetivas da ALMG no combate ao preconceito

Imagem 564O Fórum Estadual de Mulheres Negras de Minas Gerais realizou na última segunda-feira, 21, na Assembleia Legislativa, um seminário de planejamento para tratar das realidades que a mulher negra enfrenta em diversos setores da sociedade. Representantes de vários municípios estiveram presentes e na ocasião discutiram questões de saúde, educação e combate ao preconceito. Para Mônica Aguiar, coordenadora geral do Centro de Referência de Cultura da Mulher Negra de Minas e membro da coordenação estadual da III Conepir/MG, as mulheres precisam estar unidas para vencer os desafios, alcançar respeito e conquistar novos espaços.
A reunião de trabalho aconteceu com o apoio da deputada estadual Maria Tereza Lara (PT), fundadora e ex-coordenadora da Frente Parlamentar de Promoção da Igualdade da Assembleia de Minas. A parlamentar ouviu as reivindicações das mulheres que cobraram ações eficazes da Assembleia Legislativa, como campanhas permanentes contra o racismo,  adesão dos parlamentares à causa  dos negros no Estado. “Independente da raça, da religião, o importante é vivermos um projeto que nos una, termos o compromisso de combater todo e qualquer tipo de preconceito, proporcionando o acesso do cidadão à escola (da educação básica às universidades), à saúde, manter sua segurança e preservar sua dignidade. O negro tem lutado bravamente, militado contra as injustiças sociais, mas isso não é batalha só deles e sim de todos os homens e mulheres de bem desse país”, apontou a deputada.
Dep1
Durante o Seminário, além do planejamento das agendas para 2014, um documento manifesto do Fórum Estadual de Mulheres Negras, foi entregue a Coordenadoria Estadual de Promoção da Igualdade Racial ,Sr. Clever Machado Coordenador,  ao Conselho Estadual de Participação e Integração da Comunidade Negra de Minas Gerais e à deputada Maria Tereza. Trata-se da proposta aprovada na III Conferência Estadual de Promoção da Igualdade Racial realizada em agosto deste ano, que garante a reserva de 30% no mínimo de vagas para mulheres negras na composição do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial e reconhecimento do dia 25 de julho como Dia de Luta da Mulher Negra Latino-America e Caribenha no calendário do Estado. “Precisamos dar passos, seja no legislativo, através das secretarias, dentro do Movimento Negro. O Fórum tem esse papel: estabelecer a legitimidade de nossos propósitos, adquirir poder de voz para abrir caminhos corretos e construir novos diálogos”, finalizou Mônica Aguiar.
Para Rita Bento de Cataguases garantir  cotas minima de mulheres negras no Conselho Estadual de Participação e Integração da Comunidade Negra de Minas Gerais,  demonstra  responsabilidade em combater o racismo e reconhecimento das especificidades. Espera que o compromisso firmado pelo SR. Clever Coordenador Estadual em acrescentar  em conjunto com a Assembleia na Lei que cria o Conselho  seja cumprido . 
Zélia de Juiz de Fora afirma  que as mulheres negras mineiras tem realizado conquistas que que sevem de exemplo para o pais. Aja vista a paridade na eleição dos delegados e delegadas à IIIª Conferencia Nacional de Promoção da Igualdade Racial, que foi cumprida . Esta proposta e aprovação no artigo do regulamento,  foi fruto da organização do Fórum Estadual de Mulheres Negras .diz Zélia . 
Já as jovens Libine, Marilsa, Jessica Carolina e Raissa,  afirmaram que ter conquistado 30% de jovens na composição dos e das delegadas nacional foi um avanço estimado pois esta representação foi garantida como das mulheres negras no regulamento, aprovado em plenário. As jovens negras tem questões que são especificidades. Precisamos  estar presentes em fóruns maiores para dialogar com quem tem experiência e apresentar nossas propostas. Este é nosso desafio. Afirma Raissa de Cataguases delegada à IIIª Conferencia Nacional .
Estamos em um momento de provocar o Estado  para implementação e cumprimento das Leis já aprovadas desde 2003. As mulheres Negras tem ao longo de sua história contribuindo par formulação destas, devemos romper de fato com a invisibilidade . Afirma a jornalista Terezinha da cidade  de Viçosa  .
Este momento reabre o dialogo  de constituímos mais  ações para se ter  mulheres no poder, precisamos eleger uma bancada de mulheres que realmente nos represente no Estado e no pais. Afirma Rita Calazans Secretária Estadual de Mulheres do PT em Minas .

O encontro foi marcado também com a posse da Direção do Fórum que passa ser legalmente constituído.  
Coordenadora geral : Monica Aguiar BH / Coordenadora Rita Bento Cataguases/ Primeira Secretária Lìbine Christian Ouro Preto / Segunda Secretária Tânia Costa BH/ Primeira Tesoureira Zélia Lucia Juiz de Fora / Segunda Tesoureira Rita Calazans BH/ 
Coordenadoras Regionais : Vera Flauzino Juiz de Fora/  Terezinha Ferreira Viçosa/ Marcinéia Cândido Cataguases/ Rayssa Santiago Ctaguases/ Marlucia Patrocinia Pompeu / Rita de Cássia Contagem  / Suely Bento Conselheiro Lafaiete / Marilsa Carlos Sabara. 
    
  
 

Nenhum comentário: